Angela Alonso é reeleita presidente do CEBRAP

Gestão do biênio 2017-2018: Carlos Eduardo Torres Freire, Ronaldo de Almeida, Angela Alonso e Graziela Castello 

Angela Alonso foi mais uma vez escolhida como presidente do CEBRAP. A definição ocorreu durante a Assembleia de Sócios realizada na última sexta-feira, 19/5, no auditório do CEBRAP, que contou com a presença de membros do conselho e sócios da instituição. Além da presidência, foram acertados os nomes que vão assumir a diretoria do CEBRAP. Ronaldo de Almeida e Graziela Castello serão os responsáveis pela diretoria cientifica e administrativa, respectivamente. Carlos Eduardo Torres Freire, como diretor adjunto científico, também compõe a diretoria.

A  gestão do biênio 2017-2018 vai dar seguimento aos principais projetos que foram desenvolvidos pela casa nos últimos dois anos e vai continuar na busca de novos recursos para manter a sustentabilidade econômica e a diversidade intelectual do CEBRAP.

Ainda na cerimônia, um balanço da gestão 2015-2016 – destacando as principais iniciativas implantadas – foi apresentado. Confira aqui.

Leia Também

Elza Berquó, Pesquisadora e Sócia-Fundadora do CEBRAP, foi homenageada por sua contribuição à pesquisa No último dia 05, Elza Berquó foi homenageada por sua contribuição à pesquisa, à inovação tecnológica e à reflexão crítica sobre Prevenção na resposta à Aids, durante o Seminário “Fazer da 4ª. década a última: 30 Anos de epidemia de AIDS”, […]

A revista Novos Estudos e o Núcleo Direito e Democracia convidam para um encontro com Lijia Zhang. Autora de A garota da fábrica de mísseis: memórias de uma operária da nova China (Ed. Reler, 2010), a escritora e jornalista chinesa discutirá seu livro, suas experiências pessoais das mudanças na China nas últimas três décadas – […]

Em 8 de junho, o Cebrap recebeu um seminário especial em homenagem ao saudoso Paul Singer (1932-2018). Em meio a lembranças e análises, Maria Hermínia Tavares e Frederico Mazzucchelli falaram sobre um dos livros mais importantes da carreira do economista, o clássico “São Paulo 1975: Crescimento e Pobreza”. “A percepção pós-golpe de 1964, vinda de […]