Aprendizado mútuo para fortalecimento de sistemas de saúde

Em evento realizado no dia 11 de maio na sede do Cebrap, em São Paulo, o pesquisador canadense Gerry Bloom, do Institute of Development Studies [Universidade de Sussex], falou sobre a importância do compartilhamento de experiências que auxiliem no desenvolvimento de políticas em saúde que resultem na cobertura universal e redução das desigualdades durante o seminário “Mutual Learning for universal health coverage in a rapidly changing world”.

Em um ano em que se comemora 40 anos da Declaração de Alma Ata – considerada um marco que enfatiza a necessidade da promoção de políticas de atenção primária à saúde, principalmente nos países em desenvolvimento –, Bloom destacou a necessidade de revisar os itens constante no documento e criar o que chamou de Alma Ata 2.0. “Muito daquilo que foi acordado em 1978, não foi atingido até hoje. É preciso analisar os novos cenários e agir de acordo com essas novas necessidades”, completou.

Para o pesquisador canadense, a mudança nos padrões de desenvolvimento econômico, a rápida urbanização e envelhecimento da população, mudanças tecnológicas [avanços em diagnóstico, terapias e tecnologia da informação], mudanças climáticas provenientes da poluição, ajudaram a estabelecer novos padrões de desigualdade, exclusão e necessidades em saúde. Bloom ainda destaca que as mudanças nos meios de comunicação também impactam no aumento das expectativas da população em relação as políticas de saúde e cobrança por melhores resultados.

De acordo com Bloom, “as necessidades em saúde mudaram e os arranjos institucionais precisam mudar também. Novos tipos de parcerias serão necessárias para o gerenciamento dos sistemas de saúde, com foco nas demandas dos diferentes grupos e priorizando mecanismos de participação e controle social”.

O pesquisador ainda destacou a importância de pesquisas realizadas pelo IDS e Cebrap para a disseminação de boas práticas, principalmente entre os países de baixa e média renda. Para ele, a troca de experiências entre diferentes países é de suma importância, é o que chama de aprendizado mútuo. “É preciso se debruçar sobre as alternativas que vêm de fora do eixo Europa-Estados Unidos, bem como respeitar as caracteríricas locais de cada país na hora de adaptar arranjos institucioanis. O que a experiência do Sistema Único de Saúde brasileiro pode ensinar para outros países? Quais países e cidades formariam boas parcerias? Tudo isso precisa ser questionado”. Para finalizar, Bloom lança um desafio: “quais serão os próximos passos?”.

Confira o PDF da apresentação do professor e pesquisador canadense: SP Bulletin launch presentation

Lançamento IDS Bulletin

No mesmo evento, o pesquisador inglês Alex Shankland, do IDS e do Cebrap, aproveitou para lançar a nova versão, agora digital, do IDS Bulletin, tradicional publicação da instituição britânica, cujo tema desta edição é ‘Accountability for Health Equity: Galvanising a Movement for Universal Health Coverage’. A publicação, em inglês, conta com a contribuição de diversos pesquisadores de diferentes partes do mundo. A coordenadora do Núcleo de Cidadania, Saúde e Desenvolvimento do Cebrap, Vera Schattan Coelho contribui com um artigo que discute os resultados das políticas de atenção primária à saúde implementadas na cidade de São Paulo entre 2001 e 2016. De acordo com Shankland, rigor na pesquisa e parcerias que ajudam a construir credibilidade são marcas da publicação. Para acessar o IDS Bulletin, clique aqui.

Leia Também

Saiba mais sobre o último livro lançado por Ernesto Isunza Vera e Adrián Gurza Lavalle. Para el futuro de la democracia en el mundo, la proliferación de experiencias de innovación democrática es el fenómeno más sorprendente desde que los ciclos de las transiciones latinoamericanas y comunistas concluyeron sus fases más dramáticas, para desembocar en la […]

Saiba mais sobre o último livro lançado por Ernesto Isunza Vera e Adrián Gurza Lavalle. Para el futuro de la democracia en el mundo, la proliferación de experiencias de innovación democrática es el fenómeno más sorprendente desde que los ciclos de las transiciones latinoamericanas y comunistas concluyeron sus fases más dramáticas, para desembocar en la […]

Além da versão digital, que pode ser conferida aqui, o Mapa das Ciclorrotas de São Paulo já está disponível na versão impressa. Desenvolvido pelo Cebrap  e a Prefeitura de São Paulo, com o apoio do Itaú Unibanco, a versão 2013 do mapa traz como grande destaque a  inclusão da ciclorrotas na zona leste da capital paulista e […]