Boletim Especial nº1 – 2014/2015

A IMPRENSA E A POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO ROUSSEFF

Foi pequena a proporção de formadores de opinião que apoiou publicamente a política externa do governo de Dilma Rousseff no biênio 2014-2015. O percentual dos que o fizeram variou entre os anos, mas não foi superior a 20%.

Nosso termômetro
CEBRAP indica:

%

de artigos favoráveis
à Política Externa.

2014

Nosso termômetro
CEBRAP indica:

%

de artigos favoráveis
à Política Externa.

2015

O percentual dos artigos favoráveis à política externa da presidente Roussef variou segundo os diferentes veículos, nos dois anos analisados.

PRIORIDADE DADA À ORIENTAÇÕES GERAIS DA POLÍTICA EXTERNA (GOVERNO X IMPRENSA)

Após a extensa análise de artigos, editoriais e entrevistas de especialistas na parte que tange a imprensa e de discursos oficiais da presidenta Dilma Rousseff na parte que tange o governo federal durante os anos de 2014 e 2015 com relação à política externa brasileira foi possível a criação de campos comparativos para a melhor observação do comportamento da mídia e do governo em se tratando de política externa, principalmente no que se refere as diversas posições e temas do mesmo.

 

Posições dos discursos oficiais

Posições dos Artigos de Mídia

Posições em 2014

Posições em 2014

  1. Multilateralismo
  2. Globalismo
  3. Regionalismo
  4. Universalismo
  5. Nacionalismo
  6. Unilateralismo
  1. Universalismo
  2. Globalismo
  3. Multilateralismo
  4. Regionalismo
  5. Unilateralismo
  6. Nacionalismo
Posições em 2015 Posições em 2015
  1. Cooperação
  2. Globalismo
  3. Bilateralismo
  4. Universalismo
  5. Plurilateralismo
  6. Regionalismo
  7. Multilateralismo
  8. Nacionalismo
  9. Unilateralismo
  1. Globalismo
  2. Universalismo
  3. Cooperação
  4. Bilateralismo
  5. Multilateralismo
  6. Plurilateralismo
  7. Regionalismo
  8. Unilateralismo
  9. Nacionalismo

 

Ao longo do ano de 2014, tanto governo federal quanto os principais articulistas da mídia impressa brasileira (O Globo, Estadão, Valor e Folha de São Paulo) convergiram quanto às posições gerais adotadas pelo país. Posições mais universalistas e multilateralistas são dominantes em ambas as esferas como se pode observar. Assim como há uma convergência sobre a necessidade de abertura e universalização das relações brasileiras com outros países também há uma grande rejeição, por ambos, de posturas mais isolacionistas. Tal postura é evidenciada quando se percebe que posições nacionalistas e unilateralistas raramente foram apoiadas. Em uma posição houve, porém, uma grande divergência, trata-se do Regionalismo. Na análise dos discursos percebeu-se uma visão regionalista, assim como uma grande valorização de tais iniciativas, como o MERCOSUL. Já por parte da mídia se observou uma visão muito crítica da ação regional do governo federal, principalmente com relação ao MERCOSUL, visto como um entrave à ampliação das relações comerciais bilaterais.

No ano de 2015, as posições, tanto por parte do governo federal quanto por parte da mídia, mantiveram-se constantes: universalismo e multilateralismo receberam grande apoio enquanto as posições nacionalistas e unilaterais foram, praticamente, inexistentes. Não somente os pontos de convergência foram os mesmos, mas também o único ponto de divergência. O regionalismo continuou a ser uma posição adotada e defendida pelo governo, via MERCOSUL e CELAC, enquanto a mídia reiterou suas críticas, com foco na passividade brasileira no MERCOSUL frente às ações argentinas.

TEMAS MAIS DESTACADOS (DISCURSOS OFICIAIS E IMPRENSA)

Temas dos discursos oficiais

Posições em 2014

Protagonismo Internacional do Brasil
Relação Sul – Sul
BRICS
ONU
Negociações Comerciais Bilaterais
Mercosul
Negociações Comerciais Plurilaterais
Relações com a Rússia
Relações com a China
10 Relações com a África do Sul
13 Relações com a Venezuela
15 Relação Norte – Sul
17 Relações com a Argentina
18 Relações com a União Européia
21 Relação com os Estados Unidos

Posições em 2015

Negociações Comerciais
Mudanças Climáticas/Desenvolvimento Sustentável
Protagonismo Internacional
Negociações Climáticas
Negociações Tecnológicas/Educacionais
Sul-Sul
Norte-Sul
MERCOSUL
União Européia
10 Reforma das Organizações/Regimes Internacionais
11 Estados Unidos
14 China
19 Venezuela

 Posições dos Artigos de Mídia

Posições em 2014
Relação Sul – Sul
Relação Norte – Sul
Negociações Comerciais Bilaterais
Protagonismo Internacional do Brasil
Relação com os Estados Unidos
Mercosul
Negociações Comerciais Plurilaterais
Relações com a Venezuela
Relações com a Argentina
10 Relações com a União Européia
11 Relações com a China
12 ONU
13 BRICS
15 Relações com a Rússia
24 Relações com a África do Sul

 

Posições em 2015

Protagonismo Internacional do Brasil
Relação Sul – Sul
Negociações Comerciais
Relação Norte – Sul
Relação com os Estados Unidos
Relações com a Venezuela
Mercosul
Mudanças Climáticas/Desenvolvimento Sustentável
Opinião sobre as Reformas das Organizações/Regimes Internacionais
Relações com a China
11 Relações com a União Européia
15 Negociações Climáticas
21 Negociações Tecnológicas/Educacionais

O ano de 2014 foi marcado por grandes embates entre a mídia (seus principais veículos impressos, O globo, Estadão, Folha e Valor) e o governo federal acerca da política externa brasileira. Dos dez (10) temas mais citados por ambos, apenas cinco encontraram convergência, e muitas vezes por motivos diferentes. MERCOSUL e relações Sul-Sul são dois temas muitos debatidos por ambos, mas enquanto o governo federal defendia suas iniciativas, a mídia era extremamente crítica com respeito ao que chamava de ideologização da política externa. Um dos pontos mais debatidos na mídia ao longo de 2014 foram as relações com a Venezuela, havendo reiterada condenação à passividade do governo brasileiro que não reagiu com a mesma energia ao rompimento da ordem democrática como quando ocorreu com o presidente Lugo, no Paraguai em 2012. Por parte do governo, foram poucos discursos que debateram tal questão, e quando houve algum foi para reafirmar a defesa da ordem democrática venezuelana. Outra grande divergência foi com as relações com os Estados Unidos, tema tido como prioritário pela mídia (rendendo a quinta posição) que enfatizou a importância de novas relações bilaterais entre os países, principalmente acordos comerciais que se provariam benéficos para ambos. A analise dos discursos releva que o governo tratou o assunto de forma diferente, as relações com os Estados Unidos ficaram na 21º posição, juntamente com as relações com a Palestina: menos de cinco (5) discursos fizeram referência aos EUA, esse distanciamento do governo, em parte também devido aos escândalos de espionagem da Casa Branca sobre o governo brasileiro, fomentou diversas criticas por parte dos articulistas na imprensa.

Além disso, podem-se observar assuntos como ONU, BRICS, MERCOSUL e negociações plurilaterais entre os mais mencionados pelo governo, deixando evidente uma abordagem predominantemente multilateral com relação aos acordos econômicos. Tal estratégia foi reiteradamente criticada pelos articulistas na imprensa que enxergavam nas relações bilaterais um método mais eficiente de fomentar e estimular o comércio, o que explica o acentuado número de artigos com esta temática, alcançando a terceira posição dentre os temas mais citados pela mídia.

Ao longo de 2015, podem-se constatar certas modificações com relação, principalmente, aos discursos proferidos pelo governo federal. Houve uma aproximação com as ênfases dos articulistas na imprensa: no ano de 2015 o número de temas que apresentaram convergência com a mídia subiu para sete (7). Relações Norte-Sul e negociações comerciais (principalmente Negociações Bilaterais) apareceram com mais frequência na agenda federal, temas estes que se mantiveram no topo da classificação da mídia em 2015.
Temáticas regionalistas continuaram com alta incidência nos dois canais de comunicação, mas por motivos diferentes, como no ano anterior. Na visão governamental o próprio fortalecimento brasileiro passa por um crescimento regional do MERCOSUL, da CELAC e do fortalecimento das relações Sul-Sul. Já a mídia continuou com sua visão crítica, sustentando que o regionalismo limitava o escopo econômico brasileiro, que devia por sua vez, aprofundar as relações bilaterais com os países do Norte.

A temática Venezuelana permaneceu forte na mídia (ocupando a sexta posição) com intensa reprovação ao governo por sua passividade frente aos acontecimentos no país. O governo brasileiro praticamente não fez menções à crise venezuelana, com apenas quatro (4) discursos tangenciando esta questão que permaneceu na 21º colocação. As relações com os Estados Unidos, em posições tão dispares na mídia e governo no ano de 2014, se aproximaram. O governo brasileiro se prontificou a aprofundar as relações bilaterais, por meio de acordos econômicos assinados entre ambos os países, e o tema da 21º colocação, em 2014, passou para a 11º no ano de 2015, uma clara demonstração de que houve uma preocupação do planalto em fortalecer as relações existentes com os Estados Unidos.

Por último, mas não menos importante, deve-se chamar atenção para a questão das negociações climáticas, tema de grande importância no ano de 2015 devido à realização da COP 21, em Paris. Por um lado, o governo federal usou o tema para afirmar seu protagonismo internacional. Inúmeros discursos foram feitos, ao longo do ano, reafirmando o compromisso brasileiro com a redução de emissão dos gases de feito estufa e do desmatamento ilegal. Isso concedeu ao tema negociações climáticas a 4º posição. Por outro lado, a mídia divulgou artigos esporádicos ao longo do ano, e uma concentração maior de artigos durante os dias da própria COP 21, levando o tema para na 15º posição.

Sobre o projeto

Hoje, a imprensa escrita é, a um só tempo, arena e protagonista de um debate informado sobre a política exterior do país. Por esta razão, o CEBRAP decidiu acompanhar o que pensam e dizem sobre o tema os principais órgãos da imprensa escrita, como protagonistas, em seus editoriais, e como meio, nos artigos assinados por seus colaboradores permanentes e eventuais.

Leia Também

Em 2009, o Cebrap – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento – completa 40 anos. Para comemorar, a Cosac Naify, em nova parceria com o SESC SP, lança Retrato de grupo, que recupera a história da instituição que ajudou a formar o Brasil moderno. Em 2009, o Cebrap – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento […]

Nesta sexta-feira, 12/5, será realizada no auditório do CEBRAP, durante Assembleia de Sócios, a escolha dos membros que vão compor a diretoria na gestão do biênio 2017-2018. Ainda na cerimônia, a atual diretoria vai fazer um balanço da gestão 2015-2016, destacando as principais iniciativas implantadas. Em 2016, importantes projetos especiais foram iniciados: Instituto Merian de […]

No próximo dia 15 de agosto, encerra-se o prazo para inscrição no 2º módulo do curso Direito e Teoria Crítica, oferecido pelo Núcleo Direito e Democracia (NDD) do Cebrap, cujas aulas ocorrerão todas as quintas-feiras das 19H às 22H30, nas dependências do próprio Cebrap. A partir do dia 19/08 (ou 26/08, a confirmar), todas as […]