Boletim Nº4, Janeiro – Abril de 2015

A IMPRENSA E A POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO ROUSSEFF

É baixa a proporção de formadores de opinião que apoiou publicamente a política externa do governo de Dilma Rousseff no primeiro quadrimestre do ano. Mas o percentual dos que o fizeram variou segundo os diferentes veículos.

Nosso termômetro
CEBRAP indica:

%

de artigos favoráveis
à Política Externa.

Confira abaixo a posição frente à política externa de articulistas e editorialistas de diferentes jornais:

  • Favoráveis 7.1%
  • Neutros 28.6%
  • Contrários 64.3%

por Meilian Higa Lee

Confira a análise do veículo do jornal O Globo

A apreciação da política externa feita pelo jornal O Globo teve tom predominantemente crítico. Foram publicados 42 artigos — 13 editoriais e 14 artigos de opinião — contrários ao desempenho internacional do Brasil. Dentre os assuntos abordados, destacam-se: a especulação sobre a mudança na chancelaria brasileira; a hesitação do Brasil em relação à crise na Venezuela; a atuação brasileira na VII Cúpula das Américas e a passividade abrasileira frente a assinatura de acordos entre Argentina e China fora do Mercosul. A nomeação de Mauro Vieira como ministro das relações exteriores foi bem recebida pelo jornal, que interpretou o fato como reconhecimento pelo governo de que a política externa precisava mudar de rumo. Entretanto, articulistas e editorialista consideraram que o Itamaraty permaneceu com baixo perfil de atuação e desprestigiado pela Presidência da República.

Aumentaram as críticas com relação ao que se considera omissão diante da crescente repressão às oposições na Venezuela, atestada tanto pelo silêncio do Brasil , quanto de organismos internacionais como a Unasul, a OEA e o Mercosul. A cláusula democrática do Mercosul, que afastou o Paraguai, foi constantemente evocada. De outra parte, a necessidade de o Brasil se desvincular das amarras comerciais do Mercosul em crise foi reiterada. Os acordos entre China e Argentina, que já infringem outras normas do bloco, são vistos como uma ameaça ao espaço de mercado dos produtos manufaturados brasileiros. A Cúpula das Américas foi considerada uma oportunidade perdida de acordo com os articulistas, pois o Brasil, ao não portar-se como líder regional, permitiu que a retórica anti-imperialista da Venezuela, apoiada pelos seus parceiros ideológicos, suprimisse a chance de maior integração continental. A perda de credibilidade do Brasil, no plano internacional, é diagnóstico compartilhado pelos que escrevem no jornal.

Ela é percebida como fator limitante e redutor do protagonismo brasileiro. Dívidas com a ONU, a não defesa dos valores democráticos e a polarização política interna, abalariam o prestígio brasileiro no cenário internacional. A diplomacia presidencial foi duramente criticada, por mostrar cumplicidade com governos considerados ditatoriais. No plano da política comercial, o jornal O Globo e seus articulistas colaboradores demonstram preferência pelos acordos bilaterais, principalmente com Estados Unidos e União Europeia. Há também apoio aos arranjos multilaterais e plurilaterais, embora manifestem uma postura crítica aos acordos de viés regionalista e/ou vinculados à política sul-sul.

  • Favoráveis 24.4%
  • Neutros 17.8%
  • Contrários 57.8%

por Camila Schipper

Confira a análise do veículo do jornal Estadão

A opinião sobre a política externa brasileira foi crítica na maior parte dos artigos e editoriais que tratam do assunto no jornal Estado de São Paulo durante o primeiro quadrimestre de 2015. Dentre os 45 artigos e editoriais analisados, 26 foram contrários à presente atuação internacional do país. Em relação ao ano anterior, há uma continuidade da temática com ênfase nos acordos comerciais bilaterais e plurilaterais juntamente com o aprofundamento das relações com países desenvolvidos. Além disso, defende-se o protagonismo do país em 33 artigos e editoriais, alinhado à defesa de reformas no plano internacional.

A defesa às relações norte-sul se deve a uma postura inclinada à maior aproximação do país com os EUA, fortalecida pelo reatamento das relações de Washington com Havana. No plano da política comercial internacional, é forte e recorrente a defesa de acordos bilaterais, frente aos pronunciamentos favoráveis da nova equipe econômica do governo (Armando Monteiro, no MDIC e Joaquim Levy, no Ministério da Fazenda). Enquanto que, no âmbito regional, os acordos plurilaterais também são defendidos visando o aprofundamento das relações com México, Colômbia, Chile e Peru. Em contraponto, prevalece uma postura crítica às relações entre Brasil e Argentina, vistas como ideologizadas. Outro assunto frequente é a diplomacia presidencial do governo Dilma e o papel do Itamaraty.

O pronunciamento oficial de repúdio à decisão da Indonésia de condenar à morte um cidadão brasileiro por tráfico internacional de drogas, foi visto como uma atitude precipitada do governo e um desrespeito aos instrumentos diplomáticos existentes. Por outro lado, a posse do novo ministro das Relações Exteriores teve uma repercussão positive, ao pressagiar possível retomada do papel do Itamaraty na condução da política externa do país. Os artigos e editoriais publicados no primeiro quadrimestre revelaram opinião expressivamente favorável ao protagonismo internacional do país, apesar de crítica à política externa do governo Dilma. Para tanto, defenderam o aprofundamento das relações com países desenvolvidos e a utilização de mecanismos plurilaterais com países da região, enfatizando os alinhamentos comerciais, tendo em conta que o setor externo seria peça-chave para a recuperação econômica.

  • Favoráveis 57.9%
  • Neutros 21.1%
  • Contrários 21.1%

por Camila Schipper

Confira a análise do veículo do valor econômico

Articulistas e editorialistas do Jornal Valor Econômico foram, em sua maioria, favoráveis à política externa do governo atual durante o primeiro quadrimestre de 2015. É importante ressaltar que, dentre os 19 artigos e editoriais, 14 manifestaram uma posição favorável às relações norte-sul e 17 apoiaram a celebração de acordos bilaterais. Cabe salientar, contudo que há predominância de assuntos comerciais e que a maior parte dos artigos é de um mesmo colunista.

Os pronunciamentos do governo e seus encontros com empresários voltados em torno de políticas de estímulo à exportação são foram avaliados positivamente. Além disso, a possibilidade promissora de aprofundamento das relações com os EUA é considerada importante no âmbito das políticas comerciais do país. Vale ressaltar que 9 dentre os 19 artigos e editoriais tratam dessas relações, em razão do impacto do reatamento das relações entre Washington e Havana no contexto regional e das visitas de autoridades e empresários brasileiros aos EUA. Outro tema que ganhou importância foi a possível participação do Brasil no novo banco asiático criado pela China, considerada uma política de aproximação dos países.

Apesar da predominância de assuntos voltados a relações plurilaterais e bilaterais, também destaca-se uma opinião favorável à atuação do Brasil na OMC. Já as relações no âmbito do MERCOSUL não tiveram grande importância para editorialistas e colunistas. Deste modo, ao centrar-se em assuntos relacionados à política comercial no âmbito externo, a opinião expressa no jornal Valor Econômico foi em geral favorável ao plurilateralismo e ao aprofundamento das relações bilaterais do País, orientadas para o aprofundamento das relações norte-sul. No entanto, não se revelou expressamente contrária às políticas multilaterais e às relações sul-sul.

  • Favoráveis 47.1%
  • Neutros 35.6%
  • Contrários 47.1%

por Dan Novachi

Confira a análise do veículo do jornal O Globo

O jornal Folha de S. Paulo publicou, ao longo do primeiro quadrimestre de 2015, 87 artigos de opinião e editoriais, dos quais 37 foram contrários à política externa brasileira praticada atualmente.

Dentre os principais assuntos abordados durante o período destacam-se: a necessidade de reinserção do Brasil nas cadeias globais de produção; o corte de recursos do Itamaraty; a relação Brasil – Indonésia; o estreitamento das relações com os EUA; as ações e declarações brasileiras relativas à crise econômica e política na Venezuela; e a participação do Brasil na definição do regime de mudança climática. Cortes de recursos e a evidente falta de prioridade conferida ao Itamaraty foram duramente criticados por articulistas e editoriais que enfatizaram a necessidade de uma mudança na política externa brasileira.

Nesse contexto, a inserção internacional do país, sobretudo econômica, foi fortemente defendida, tendo como principal vetor a aproximação comercial com os EUA. A necessidade de maior protagonismo internacional também ganhou bastante espaço nos artigos e editoriais, ora com pedidos de um maior engajamento do Brasil nos preparativos da COP 21, ora com exortações à atuação mais eficiente na resolução de crises e impasses globais. Cobrou-se posição mais imediata e firme do Brasil contra as violações de direitos humanos na Venezuela e participação mais ativa na recuperação econômica do país, por exemplo.

De forma geral, há grande apoio ao fortalecimento das relações Norte-Sul e as opiniões são majoritariamente favoráveis ao universalismo, em detrimento do regionalismo, e ao globalismo em oposição ao nacionalismo. O bilateralismo também apareceu em diversos artigos como algo bastante positivo para o Brasil, seguido pelo plurilateralismo, em menor escala.

A diplomacia presidencial foi avaliada como insuficiente, mas alguns elogios foram feitos às ações da presidente relativas à condenação e execução de brasileiros na Indonésia, com a ressalva de que essa defesa de direitos humanos poderia ter sido feita de forma menos ambígua em outras situações.

Resumo dos assuntos tratados nos artigos

A imprensa de opinião e as grandes linhas de ação internacional do Brasil

Os artigos, editorais e entrevistas de especialistas, embora muito críticos com relação à condução da política exterior, parecem concordar com o que tem sido suas grandes linhas de atuação. A abertura para o exterior, que chamamos de globalismo; a busca da diversificação das relações com países situados em diversas partes do mundo, que denominamos universalismo; a presença ativa na região por meio do MERCOSUL e da UNASUL; e relações mais próximas com os Estados Unidos são opções de longo curso da política externa, que contam com apoio significativo entre os principais órgãos de imprensa e seus colaboradores. Entretanto, em que pese a larga tradição de pertencimento do país aos organismos multilaterais as opiniões são significativamente menos consensuais quando a opção pelo multilateralismo é confronta com a possibilidade de acordos e arranjos plurilaterais ou bilaterais.

Orientações Gerais da Política Externa – Preferências da Imprensa

  • Nacionalismo (2) 1.32%
  • Globalismo (149) 98.68%
  • Regionalismo (8) 5.37%
  • Universalismo (141) 94.63%
  • Unilateralismo (12) 10.08%
  • Multilateralismo (47) 30.13%
  • Unasul – Favorável (0) 0%
  • Unsasul – Contrário (5) 100%
  • Mercosul – Favorável (4) 16%
  • Mercosul – Contrário (21) 84%
  • EUA – Favorável (55) 96.49%
  • EUA – Contrário (2) 3.51%

Sobre o projeto

Hoje, a imprensa escrita é, a um só tempo, arena e protagonista de um debate informado sobre a política exterior do país. Por esta razão, o CEBRAP decidiu acompanhar o que pensam e dizem sobre o tema os principais órgãos da imprensa escrita, como protagonistas, em seus editoriais, e como meio, nos artigos assinados por seus colaboradores permanentes e eventuais.

Leia Também

Controle de constitucionalidade no Brasil. O seminário debaterá os resultados das pesquisas “Controle de Constitucionalidade dos Atos do Poder Executivo” e “Processo legislativo e Controle de Constitucionalidade: as fronteiras entre Direito e Política”, realizadas neste ano pela SBDP e pelo Cebrap, com o apoio financeiro e institucional da SAL-MJ e do Programa das Nações Unidas […]

Saiba mais sobre o último livro lançado por Ernesto Isunza Vera e Adrián Gurza Lavalle. Para el futuro de la democracia en el mundo, la proliferación de experiencias de innovación democrática es el fenómeno más sorprendente desde que los ciclos de las transiciones latinoamericanas y comunistas concluyeron sus fases más dramáticas, para desembocar en la […]

O pesquisador do CEBRAP José Arthur Giannotti lança nesta quinta-feira, 14/9, a partir das 19h, na livraria Martins Fontes (Av. Paulista, 509), o livro “Os limites da Política” (Companhia das Letras). Na obra, ele e o professor de filosofia da Ufscar Luiz Damon Santos Montinho discutem temas como o lugar da democracia no capitalismo contemporâneo.