Boletim Nº6, Setembro – Dezembro de 2015

A IMPRENSA E A POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO ROUSSEFF

A proporção de formadores de opinião que apoiou publicamente a política externa do governo de Dilma Rousseff no, terceiro quadrimestre, foi a mais baixa de 2015. O percentual dos que o fizeram variou segundo os diferentes veículos.

Nosso termômetro
CEBRAP indica:

%

de artigos favoráveis
à Política Externa.

Confira abaixo a posição frente à política externa de articulistas e editorialistas de diferentes jornais:

  • Favoráveis 4.3%
  • Neutros 26.1%
  • Contrários 69.6%

por Meilian Higa Lee

Confira a análise do veículo do jornal O Globo

Neste último quadrimestre de 2015, O Globo reiterou sua posição crítica em relação à política externa brasileira. Contudo, o foco do jornal foi a política doméstica resultando em somente 23 artigos de opinião que versavam sobre assuntos exteriores do país, dentre os quais, há apenas sete editoriais. Os temas em destaque foram: a instabilidade política na Venezuela e os efeitos da Parceria Transpacífico para o Brasil. A crise política na Venezuela é sempre lembrada e acompanhada pelo jornal. Lamenta-se o fato de o Brasil, com seu peso regional, ter se mantido omisso com relação ao conflito interno venezuelano. O tema ressurge com a vitória do partido de oposição ao governo Kirchner na Argentina, que faz mudar a balança de alianças dos governos adeptos do bolivarianismo, segundo o jornal. O Brasil viu-se pressionado pelo novo governo argentino a rever sua posição sobre a Venezuela. Outra reviravolta foi a derrota de Maduro nas urnas para o grupo de oposição. Diante de tais acontecimentos, os articulistas esperam que o Itamaraty retome a coerência da tradição diplomática brasileira. O acordo firmado entre os países do pacífico chamou a atenção dos articulistas pela contraposição entre o dinamismo comercial no mundo em relação ao imobilismo do Brasil. Critica-se a aposta brasileira de negociar em fóruns multilaterais – a excessiva importância dada à rodada Doha da OMC –, e na estratégia Sul-Sul, que teria atrelado o país ao estagnado Mercosul e ao ilusório futuro dos BRICS. De acordo com os artigos, a Parceria Transpacífico trará prejuízos comerciais e aprofundará o isolamento do Brasil nos mercados globais. Outros temas tratados com menos destaque estão relacionados ao protagonismo brasileiro. Os articulistas defendem o papel de liderança do país na questão da política de drogas na Assembleia Geral das Nações Unidas; na Agenda Pós-2015 e no Acordo Climático, com metas ambiciosas para acabar com a extrema pobreza e o desmatamento. Há também a crítica à partidarização da política externa, manifesta na crise diplomática com Israel resultante da decisão do Itamaraty de não dar o agrément ao embaixador israelense. Os artigos expressam a expectativa na volta do prestígio do Itamaraty, como forma de eliminar a influência ideológica na política externa. A diplomacia presidencial foi pouco mencionada, mas sempre de uma perspectiva crítica. Há bastante apoio ao aumento do protagonismo do país em temas globais e, consequentemente, a uma atuação de tipo universalista.

  • Favoráveis 4.7%
  • Neutros 16.3%
  • Contrários 79.1%

por Camila Schipper

Confira a análise do veículo do jornal Estadão

O Estado de S. Paulo manteve sua tradicional postura crítica à política externa do Governo Dilma, durante o 3º quadrimestre de 2015, em 34 dos 43 artigos e editoriais analisados. Os temas de maior destaque são a política comercial externa do país, as relações com Venezuela e Argentina e a Conferência do Clima em Paris (COP-21). A opinião negativa sobre as relações sul-sul em 14 artigos e editoriais, bem como a rejeição da diplomacia presidencial do atual governo refletem a ênfase do jornal na necessidade de mudar a forma de condução da política externa brasileira. A política comercial externa do país é o tema mais recorrente e reitera a posição desfavorável à ação externa do governo. A política comercial brasileira é abordada no contexto de uma visão favorável às relações norte-sul, principalmente por meio de negociações bilaterais e plurilaterais, seguindo a tendência mundial e como parte das medidas de recuperação da economia nacional. Artigos e editoriais enfatizam a necessidade de reformas em organismos internacionais – OMC e MERCOSUL. Contrapondo-se ao que denominam “ideologização” da política externa brasileira. Dos 11 artigos e editoriais publicados, 7 são contrários à diplomacia presidencial. Com as eleições para o Legislativo na Venezuela, alguns artigos e editoriais defenderam o protagonismo do Brasil na América do Sul em termos da defesa da democracia e da mudança da atitude da diplomacia presidencial com relação ao governo da Venezuela. Na região, as relações do Brasil com a Argentina também tiveram maior destaque com a eleição de Macri à presidência argentina, o que foi visto como positivo para o incremento das relações comerciais entre os dois países e para as negociações comerciais do MERCOSUL. O protagonismo internacional do Brasil foi defendido nos 6 artigos e editoriais sobre a Conferencia do Clima em Paris (COP-21), enfatizando a defesa das negociações multilaterais e a necessidade de políticas internas que garantam a projeção internacional do país.

  • Favoráveis 25%
  • Neutros 18.8%
  • Contrários 56.3%

por Camila Schipper

Confira a análise do veículo do valor econômico

O Jornal Valor Econômico foi preponderantemente desfavorável à política externa do governo Dilma, no 3º quadrimestre de 2015. Dentre os 16 editoriais e artigos, 8 tratam da política comercial externa e são contrários à forma como é conduzida atualmente. Neste quadrimestre, artigos e editoriais enfatizaram o papel o que o Brasil deve exercer em diferentes âmbitos, bem como a necessidade de reforma no Mercosul. Defenderam uma política externa mais voltada aos interesses de desenvolvimento econômico do país, ao tratar de temas comerciais sem, contudo, ignorar o papel do país nas negociações multilaterais em questões climáticas e o papel de liderança regional em defesa à democracia na Venezuela. Os artigos deram destaque à Conferencia do Clima em Paris, enfatizando a necessidade de maior protagonismo brasileiro. Os 4 artigos e editoriais sobre a Conferencia do Clima em Paris defenderam a liderança do Brasil nas negociações multilaterais para a promoção de acordos efetivos. No comércio internacional, a posição contrária à política externa atual manifestou-se na defesa das negociações comerciais em âmbito plurilateral, como o Acordo Transpacífico. Ao tratar das relações do Brasil com a Venezuela, os articulistas defenderam simultaneamente maior protagonismo brasileiro e o abandono de uma política “ideologizada” de apoio ao governo de Maduro.

  • Favoráveis 20%
  • Neutros 41.4%
  • Contrários 38.6%

por Dan Novachi

Confira a análise do veículo do jornal O Globo

Ao longo do terceiro quadrimestre de 2015, a Folha de S. Paulo publicou 70 textos, entre editoriais e artigos de opinião, dos quais 27 foram contrários à atual política externa brasileira, 14 se mostraram favoráveis a ela e 29 neutros. Dentre os principais temas discutidos durante o período destacamos os seguintes: as metas e a participação do Brasil na Conferência de Paris sobre mudança climática; as respostas e atitudes do Brasil relativas à crise na Venezuela; a necessidade da reinserção do Brasil nas cadeias globais, sobretudo por meio de engajamento em acordos plurilaterais; e a mudança da relação bilateral Brasil-Argentina com a eleição de Macri. As dificuldades econômicas do Brasil motivaram fortes críticas por parte dos articulistas e editoriais do jornal. Muitos afirmam que o país está isolado e que deve urgentemente buscar novos parceiros e acordos capazes de engajar o país na dinâmica global. A Aliança do Pacífico, por exemplo, apareceu recorrentemente nos artigos e editoriais como um meio de o Brasil melhorar sua inserção internacional – não propriamente entrando na aliança, afinal o Brasil não está no Pacífico, mas sabendo tirar proveito dessa elevada interação comercial que se dá tão próxima de suas fronteiras. A diplomacia presidencial foi, de maneira geral, mal avaliada e considerada insuficiente – exemplos neste sentido vão desde omissão face à crise na Venezuela até cancelamentos de visitas a países como Japão, Índia e Vietnã. A relação Sul-sul foi bastante incentivada pelos articulistas, sobretudo no que se refere às relações com a Argentina de Macri e ao papel importante que o Brasil tem a desempenhar na solução da crise venezuelana. As opiniões expressas no jornal durante o 3º quadrimestre foram mais favoráveis ao universalismo, em detrimento do regionalismo. No que se refere ao tema das negociações internacionais, o bilateralismo foi a opção que mais recebeu menções positivas, seguida pelo plurilateralismo e pelo multilateralismo empatados. Cabe dizer que a COP 21 teve grande peso sobre essa distribuição de preferências. Os principais temas de negociação tratados nos artigo e editoriais envolvendo o Brasil foram respectivamente comercial, climático e tecnológico.

Resumo dos assuntos tratados nos artigos

A imprensa de opinião e as grandes linhas de ação internacional do Brasil

Os artigos, editoriais e entrevistas de especialistas, embora muito críticos com relação à condução política exterior, parecem concordar o que tem sido suas grandes linhas de atuação. A abertura para o exterior, que chamamos de globalismo; a busca da diversificação das relações com países situados em diversas partes do mundo, que denominamos universalismo; a opção pelo multilateralismo’a presença ativa na região por meio do MERCOSUL e da UNASUL; e relações mais próximas com os Estados Unidos são opções de longo curso da política externa, que contam com apoio significativo entre os principais órgãos de imprensa e seus colaboradores.

Orientações Gerais da Política Externa – Preferências da Imprensa

  • Nacionalismo (0) 0%
  • Globalismo (109) 100%
  • Regionalismo (27) 20.77%
  • Universalismo (103) 79.23%
  • Unilateralismo (2) 1.75%
  • Multilateralismo (32) 28.07%
  • Unasul – Favorável (2) 28.57%
  • Unsasul – Contrário (5) 71.43%
  • Mercosul – Favorável (7) 43.75%
  • Mercosul – Contrário (9) 56.25%
  • EUA – Favorável (14) 100%
  • EUA – Contrário (0) 0%

Sobre o projeto

Hoje, a imprensa escrita é, a um só tempo, arena e protagonista de um debate informado sobre a política exterior do país. Por esta razão, o CEBRAP decidiu acompanhar o que pensam e dizem sobre o tema os principais órgãos da imprensa escrita, como protagonistas, em seus editoriais, e como meio, nos artigos assinados por seus colaboradores permanentes e eventuais.

Leia Também

O governador José Serra participou na terça-feira, 24, das comemorações dos 40 anos do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). O governador José Serra participou na terça-feira, 24, das comemorações dos 40 anos do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). Durante o evento foram lançados o documentário e o livro “Retrato do Grupo” […]

O CEBRAP lamenta a perda de Antonio Candido, autor de extensa e inestimável contribuição para o pensamento social no Brasil e no mundo. Membro do quadro de sócios do CEBRAP desde 1971, Candido foi um mestre para várias gerações de pesquisadores em literatura e ciências humanas. Que a erudição e o rigor crítico do professor […]

In February, eBay auctioned clothes, jewelry and collectibles from “Sex and the City.” The HBO series, credited with bringing high end fashion to the masses without diluting the aesthetics of the designers, put dresses and jewelry worn by the show’s stars on the block and raised more than $44,000 for charity. The beauty of eBay, […]

business growth demands security spending Canada Goose Jackets HANNITY: Here is a question, you know God forbid I’ve always been a believer you’ve got to prepare to defend yourself. I had gun permits in New York and Rhode Island in California and Alabama and Georgia in my life. I was trained in the use of […]