English Version Cebrap - Centro Brasileiro de Análise e Planejamento

Últimas Notícias

30/04/2013

View Point: When the middle class opts out, the poor get shut out. In Jakarta Post

by Meidyatama Suryodiningrat, The Jakarta Post

It is amazing how tolerant this nation can be. While other countries have proclaimed their “manifest destiny”; in Indonesia, the pervasive political culture seems to be one of nerimo, or acceptance, coupled with a humble assent to fate.

However, sometimes there is a fine line between a phlegmatic concession to providence and simply giving up.

In any other democracy, there would be a revolt if millions of people were regularly immobilized in traffic while little was done to develop public transportation.

In another nation, there would be riots if most people had no access to clean water while more and more lavish shopping malls were built.

In any other country, leaders would face votes of no confidence if the school system decayed after a fifth of the national budget was allocated for education.

But not here. Not in Indonesia. We have become a nation so accustomed to surviving that we embrace the worst of woes.

Oh, and did I mention the floods that routinely paralyze the nation’s most developed city?!

Perseverance in a people is an admirable quality. Yet this ingrained habit of apathy has been corrosive, eating away at Indonesia’s body politic and creating fissures between social classes.

Politics and the desire for change are no longer fueled by a sense of righting wrongs and protecting the helpless, but rather by individualism, economic egoism and self preservation.

Put more simply, those who cannot make a difference quietly suffer. Those who can make a difference have opted out.

The poor and powerless are fated to endure come what may, while the rich remain, as always, insulated from the fray. However, when the members of the middle class — the most persuasive voice for societal change — begin to opt out and find their own way, then hope for righting the wrongs of the nation will fade.

Instead of fighting to improve sanitation and access to potable water, the nation’s middle class spend billions on bottled water and to pay to treat sicknesses resulting from poor sanitation.

Instead of fighting for better infrastructure, we pay for plush car interiors decorated with homey comforts as we sit stuck in traffic, burning subsidized fuel and creating smog.

Looking at the situation more closely, our acquiescence to decay is staggering.

For example, less than 50 percent of Jakartans have access to piped water. More than 75 percent of the city’s residents rely on shallow groundwater wells, 90 percent of which are contaminated.

Hold your nose! Poor sewage means that every day, Jakartans release 714,000 kilograms of untreated feces and 7,000 cubic meters of untreated urine into the city’s rivers and waterways. Jakarta produces more than 6,000 tons of waste a day. The city can only manage half that.

A recent World Bank study estimated that Indonesia loses up to US$6.3 billion a year due to poor sanitation and hygiene.

What has our response been? Not to develop water treatment facilities, but to drink more bottled water.

Indonesia is currently the world’s seventh-largest market for bottled water. Further, another study predicted that local bottled water consumption would rise from 29 to 86 liters per person from 2006 to 2016.

Even those who have access to water from treatment plants must boil it, thus creating even more costs.

In education, the expenditure of 20 percent of the state budget has done little to improve our children’s performance on international tests. The increases have largely gone to pay for salaries and allowances.

The World Bank said that despite having one of the lowest student-teacher ratios in the world — and despite improving the livelihood of its teachers — Indonesia has continued to suffer, as increased expenditures on education have “yet to show the expected results in terms of student learning”.

This has led middle-class families to effectively give up on the public school system, opting to pay fees topping $2,000 to send their kids to private schools.

Meanwhile, with trust in the justice system at its lowest ebb and the streets remaining an anarchic cacophony, middle-class people are choosing to live in gated communities surrounded by private guards, while a second (or third!) car loan has become essential so that their children will not be exposed to the hazards of Jakarta’s mean streets.

It was a sure sign of impotence last year when, instead of pledging to do their duty, the Jakarta Police met with the Security Service Providers Association (BUJP) to encourage the group to make sure its guard forces were on site to ensure safety during May Day rallies.

Amid all this, the importance of Indonesia’s expanding middle class has continued to be touted by activists, analysts and economists alike.

A McKinsey report from 2012, for example, said that the number of the people in the nation’s consumer class, defined as those with a minimum annual per capita income of $3,600, would reach 135 million by 2030.

Our history has shown that the New Order regime, in fostering the emergence of a middle class, sowed the seeds of its own demise.

The role of the middle class in propelling democracy forward and inducing change in society cannot be understated. Or as political sociologist Barrington Moore remarked: “No bourgeoisie, no democracy.”

Political theorists such as Adam Przeworski and Fernando Limongi have said that prosperity is one of the principal determinants of the strength of a democracy: A per capita income of $1,000 to $2,000 indicates a democracy life expectancy of 18 years; between $2,001 and $3,000, the prospects rise to 26 years; and above $6,000, democracy becomes “eternal”.

According to the World Bank, Indonesia’s current per capita income currently stands at $4,636, while the National Commission on Economics (KEN) has predicted that it would reach $6,000 within four years.

Indonesia’s middle class is the country’s most dynamic political and economic entity. But its members are increasingly indifferent to reform.

If this trend to “opt out” of basic services continues, reforms will stumble and Indonesia will experience even more disproportionate modernization and increased economic segregation.

The problem is that as the income of the nation’s middle class rises, its members become self assured, preferring to resolve societal and development problems alone through their increased purchasing power. While they have empathy for the poor, members of the middle class have a weaker sense of what it means to be a citizen, feeling no obligation to the state, which they see as inept or a hindrance.

The danger is that people in the middle class no longer see political activism and social reform as an ethical obligation, but as an intellectual hobby for the few.

If those who can propel change refuse to — and if the bureaucracy proves unwilling to — then what hope is there for the underclass, other than wallowing in decay as others grow wealthy?

The author is chief editor of The Jakarta Post.

Publicado em 28/04/13

30/04/2013

ONDE ESTOU Página inicialNotíciasDetalhes da notícia 30.04.2013 Pesquisador do Cebrap apresenta estudo “O que pensa a juventude sobre a escola?” na Fundação Victor Civita

Coordenada pelo economista Haroldo Torres e realizada no Cebrap, a pesquisa "O que pensa a juventude sobre a escola?" foi apresentada nesta terça-feira, dia 30, a um painel de especialistas reunidos pela Fundação Victor Civita.

Torres é  pesquisador e integrante do Núcleo de Educação do Cebrap e o  trabalho foi apoiado pela equipe Estudos e Pesquisas Educacionais da Fundação.

30/04/2013

Em defesa do Congresso. Por Fernando Limongi, no Valor Econômico

A confusão está armada. Supremo e Congresso entraram em rota de colisão. Gilmar Mendes, em curta declaração, apontou o culpado: o Poder Executivo. O Supremo se exime de culpa e responsabiliza os demais Poderes. Suas repetidas intervenções teriam um único motivo: pôr ordem no coreto. A omissão do Congresso, sua incapacidade de promover reformas institucionais teria forçado as repetidas investidas do Judiciário na seara alheia.

Rápida revisão das decisões recentes permite concluir o contrário. Da imposição da verticalização das coligações à intervenção do ministro Gilmar Mendes na semana passada, o Supremo tem contribuído mais para confundir do que para esclarecer, para lembrar o refrão do saudoso Chacrinha. As decisões emanadas do Poder Judiciário têm sido tão ou mais "casuísticas" do que as do Congresso Nacional; todas, sem exceção, prenhes de efeitos imediatos para a disputa político- partidária. Não há isenção possível neste tipo de questão. Tampouco é possível argumentar em nome do fortalecimento da democracia ou coisa do gênero. Qualquer decisão tomada favorecerá alguns partidos e prejudicará outros.
Segundo o noticiário da imprensa, o ministro Gilmar Mendes teria identificado vícios formais na tramitação da proposta apresentada pelo deputado Edinho Araújo (PMDB-SP). O Congresso teria agido de forma rápida demais. Não deixa de ser irônico. O Congresso é sempre atacado por sua omissão ou morosidade. Quando é ágil, levanta suspeição. Tamanha celeridade só se justificaria por razões escusas.

O fato é que o Congresso pode agir rapidamente e o faz com frequência. O ritmo da tramitação das matérias é ditado pela maioria, respeitada as normas regimentais. A intervenção do ministro se justificaria se estas normas e ritos tivessem sido violados. Foram? Se sim, quais? A opinião pública não foi informada dos vícios formais identificados pelo ministro Gilmar Mendes. Pelo que se depreende do que publicado na imprensa, a celeridade em si foi questionada. A suspeição motivou a intervenção.

Muitos analistas comungam da desconfiança que motivou a medida cautelar. O Congresso só se moveria com esta presteza para defender interesses particulares e imediatos. Por isto, mesmo, a medida foi comparada ao Pacote de Abril. O governo estaria alterando a legislação em causa própria. No entanto, é preciso ter claro que o Congresso estava apenas restaurando o status quo vigente antes da surpreendente intervenção do Supremo, concedendo tempo de TV ao partido criado por Kassab. Note-se: a emenda mais polêmica foi proposta pelo DEM e não por um partido da coalizão que apoia a presidente Dilma.

O tempo no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HPGE) conferido a cada partido é proporcional à sua bancada na Câmara dos Deputados. Partidos ganhavam tempo na TV na medida em que conseguiam aumentar suas bancadas. O Congresso Nacional, tempos atrás, barrou esse incentivo à migração partidária, impondo como referência a bancada eleita, isto é, a vontade do eleitor expressa nas urnas nas últimas eleições. Com esta decisão, um dos principais estímulos à migração partidária foi neutralizado. Foi esta decisão do Congresso Nacional - e não a imposição da fidelidade partidária pelo STF - a maior responsável pela diminuição das dança das cadeiras. Aliciar parlamentares para ganhar tempo na TV deixou de figurar entre as estratégias dos pré-candidatos à Presidência.

O STF, ao decidir que o PSD tinha direito a tempo na TV proporcional à sua bancada, reintroduziu, pela porta dos fundos, a motivação para a migração partidária. A estratégia teve que ser devidamente adaptada. Em lugar de atrair deputados, cria-se um novo partido. As restrições impostas pelo CN podem, agora, ser contornadas. A oportunidade foi prontamente percebida e alguns partidos, não necessariamente os mais fisiológicos, logo viram como tirar proveito das novas oportunidades.

Repentinamente, após anos de convivência, PPS e PMN descobriram suas afinidades ideológicas. Note-se o que está em jogo. Não se trata apenas de somar os tempos de TV que PPS e PMN têm direito em função da bancada que elegeram em 2010. Se fosse isto, a fusão teria o mesmo efeito que uma coligação. A fusão soma tempo de TV desde que seja capaz de atrair novos parlamentares, por exemplo, do DEM e do PMDB. Estes, ao se juntarem ao novo partido, carregam consigo seu tempo de TV. E é assim por força da decisão tomada pelo Supremo quando da criação do PSD.

A contradição entre esta decisão do Supremo e a que impôs a fidelidade partidária é patente. Afinal, a quem pertence o mandato parlamentar? Na realidade, ao assegurar tempo na TV ao PSD, o Supremo contradisse decisão tomada pouco antes, quando a bancada do PSD teve negada sua participação na distribuição de cargos no interior do Poder Legislativo. Depois desta decisão, ninguém mais, nem mesmo o PSD e seus aliados esperavam que o partido ganhasse tempo na TV.

Nestes termos, a proposta do deputado Edinho Araújo (PMDB-SP) e a emenda do DEM são reações a um "casuísmo". O Supremo alterou as regras do jogo. Difícil sustentar que a intervenção do Judiciário tenha contribuído para fortalecer os partidos e aperfeiçoar a democracia. Basicamente, a proposta, que o ministro Gilmar barrou antes que sua tramitação chegasse a termo, simplesmente restaurava o status quo.

As intervenções do Supremo no terreno da legislação eleitoral e partidária - é tempo de afirmá-lo com todas as letras - carecem de coerência. O Supremo, por paradoxal que possa parecer, tem sido fonte de instabilidade. Ao pretender legislar no campo eleitoral, não tem como evitar atrelar suas decisões à disputa político-partidária. Perde assim a isenção para reclamar a capacidade de arbitrar uma luta em que se envolve.

Fernando Limongi é professor-titular de ciência política da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisador do Cebrap.

Artigo publicado no Valor Econômico,  em 30/04/13

25/04/2013

Projeto ajuda jovens a discutir sexualidade de forma criativa

Colunista Jairo Bouer fala sobre o projeto  “Dar Voz aos Jovens”, realizado pelo Cebrap.

 

A proposta do projeto é discutir questões sobre sexualidade e educação de um modo diferente, por meio de uma oficina gratuita de roteiro e vídeo para jovens de 14 a 19 anos, estudantes da rede pública de ensino.

Além de exibir um curta realizado pelos jovens, Bouer entrevista a produtora audiovisual Paula Garcia e a estudante Luana Braga sobre o projeto. 

Assista aqui íntegra da entrevista.

22/04/2013

Oficina metodológica: Big Data. Terça-feira, 23/04.

Mais três oficinas estão programadas neste primeiro semestre de 2013. Projeto é fruto de parceria do Cebrap com LAPS/USP e NECI/USP.

Categorias Geral

 

O Cebrap - em parceria com o LAPS e o Neci, entidades vinculadas à USP - , realizará em abril, maio e junho oficinas de inteligência metodológica. As atividades são abertas a profissionais das áreas de governo e gestão pública, de empresas e a pesquisadores, professores, estudantes de pós e graduação. As oficinas terão como base trabalhos e casos concretos recentes.

Objetivo: apresentar, por meio de casos, as abordagens e ferramentas metodológicas qualitativas e quantitativas utilizadas em pesquisas no Cebrap, no LAPS e no NECI

Público alvo: pesquisadores, professores e estudantes de graduação e pós-graduação; profissionais das áreas de gestão pública, organizações não governamentais e empresas

Email para inscrição: inteligenciametodologica@cebrap.org.br

Investimentos: R$ 100 cada oficina, R$ 320 as quatro.

Alunos de Ciências Sociais da USP,  pesquisadores do Cebrap, Cem, NECI e LAPS estão isentos.

Todos os participantes recebem o certificado.

 

Organizadores:

Cebrap - Centro Brasileiro de Análise e Planejamento
LAPS  - Laboratório de Pesquisa Social vinculado ao Departamento de Sociologia da USP
NECI  - Núcleo de Estudos Comparados e Internacionais vinculado à USP

Conheça as oficinas programadas para este primeiro semestre:

Programação geral no primeiro semestre:

Oficina 1 - Big Data, automação e novas tecnologias para análise de dados

23 de abril de 2013, terça-feira, das 14 às 18h30
Palestrantes:  Rogerio Barbosa (Cebrap e Cem) e Diogo Ferrari (CEM)
Local: Auditório do Cebrap, rua Morgado de Mateus, 615 - Vila Mariana

1. Big data:
- Grande disponibilidade de informação para pesquisa, principalmente on-line
- Desafios para coletar dados estruturados e não estruturados pela internet
- Limites e soluções computacionais para lidar com grandes bancos de dados
2. Automação
- Programação estatística: análise de dados, formatação de gráficos e textos
- Análise automática de texto
- Replicação de estudos e publicização de resultados
3. Implicações para a pesquisa:
- Big data, simulação e data mining: pontes entre o indutivo e o dedutivo

Data limite para inscrição: 19 de abril

Oficina 2 - Por dentro do Congresso

14 de maio de 2013, terça-feira,  das 14 às 18h30
Palestrantes: Andréa Freitas (Cebrap e NECI) e Samuel Moura (Cebrap e NECI)
Local: a definir (Cebrap ou USP)

1.     Os domínios da produção legislativa
- Domínios do poder legislativo e  do poder executivo
- Prerrogativas exclusivas e sobrepostas da produção legislativa
2.    Os tipos de lei e sua tramitação
- Caminhos das leis no Congresso: fluxograma geral  da tramitação de leis
3.   O  Incrível mundo do site do Congresso
- O que é possível encontrar no site do Congresso
- Como localizar um  projeto de lei  e como  localizar uma lei
- Como ler e interpretar a tramitação de leis nos arquivos eletrônicos do Congresso

Data limite para inscrição: 10 de maio

Oficina 3 - Etnografia e pesquisas quantitativas: métodos em articulação

11 de junho de 2013, terça-feira, das 14 às 18:30
Palestrante: Ronaldo de Almeida (Cebrap e Departamento de Antropologia -Unicamp)

1.  Uso combinado de dados censitários, survey, georreferenciamento e etnografias para compreender o trânsito religioso.
2.   Dados qualitativos na escala metropolitana: comparação etnográfica da pobreza. 

Local: Auditório do Cebrap, rua Morgado de Mateus, 615 - Vila Mariana

Data limite para inscrição: 7 de junho

Oficina 4 - Grupos Focais

25 de junho de 2013, terça-feira,  das 14 às 18h30 [a confirmar]
Palestrantes: Gustavo Venturi (LAPS e Departamento de Sociologia – USP)
Local: Prédio de Ciências Sociais – USP, sala a definir
Data limite será divulgada em breve.


Atenção para as diferentes datas-limites de inscrição:

Oficina 1
Big Data, automação e novas tecnologias para análise de dados
Inscrições até 19 de abril. Será realizada no dia 23 de abril

Oficina 2
Por dentro do Congresso
Inscrições até 10 de maio.Será realizada no dia 14 de maio.

Oficina 3
Etnografia e pesquisas quantitativas: métodos em articulação
Inscrições até 7 de junho. Será realizada no dia 11 de junho

Oficina 4
Grupos Focais
Data limite para inscrição será divulgada em breve.
Locais: Cebrap ou USP

12/04/2013

Carandiru, um fato sem domínio. No Valor Econômico

Pesquisadora do Cebrap e professora da FGV Marta Machado empreendeu “a mais completa reconstituição dos fatos que sucederam à morte de 111 presos no presídio do Carandiru, em São Paulo”, informa o jornal:

Secretário de Segurança Pública de São Paulo até novembro do ano passado, o coronel da Polícia Militar Antonio Ferreira Pinto foi a fonte de inspiração da pesquisadora Marta Machado. Ao justificar a nomeação para o comando da Rota de um dos réus do processo que apura o maior massacre em presídio já registrado no mundo, Ferreira Pinto declarou: “O Carandiru é coisa do passado”.

 
Professora da Fundação Getúlio Vargas, Marta foi instada por aquela frase a empreender a mais completa reconstituição dos fatos que sucederam à morte de 111 presos no presídio do Carandiru, em São Paulo. O julgamento começa segunda-feira, 20 anos, 6 meses e 13 dias depois do ocorrido.
 
Na companhia de duas outras pesquisadoras da FGV, Maíra Machado e Luísa Ferreira, Marta deu início a levantamento que incluiu a fotografia de cada página dos 50 volumes do processo. O primeiro produto da trinca é um artigo publicado no final do ano passado pela Novos Estudos (Cebrap).
 
Entre 79 réus do julgamento, há um único oficial
 
São 29 páginas a mostrar como truculência policial, incúria governamental, prepotência judicial e descaso político reunidos podem erigir um monumento à impunidade.
 
Entre os réus há um único oficial, o tenente coronel da Polícia Militar Luiz Nakaharada que, em função da origem japonesa, foi reconhecido por várias testemunhas como o policial que entrou numa cela e metralhou cinco presos.
 
O outro oficial arrolado no processo era o coronel Ubiratan Guimarães, morto em 2006. No intervalo de seus dois mandatos, Ubiratan submeteu-se a um júri que o condenou a 632 anos de prisão. Um desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo acabaria absolvendo o coronel. A possibilidade de recurso se esgotou com o assassinato, ainda não esclarecido, de Ubiratan.
 
Numa demonstração de que não era voz isolada, outro desembargador daquele tribunal, anos depois, negaria pedido de indenização da mãe de um dos presos mortos sob a justificativa de que a culpa era das vítimas que haviam iniciado a rebelião.
 
No último grande julgamento acompanhado pela opinião pública, a tese do “domínio do fato” pautou grande parte das discussões.
 
No do Carandiru as três maiores autoridades na hierarquia do sistema penitenciário do Estado da época, o governador Luiz Antonio Fleury Filho, o secretário de Segurança Pedro Franco de Campos e seu assessor para Assuntos Penitenciários, Antonio Filardi, nem sequer foram incluídos na denúncia.
 
A responsabilização dos três chegou a ser cogitada pela Justica Militar. O inquérito lá conduzido traz depoimentos em que o secretário de Segurança da época relata telefonema ao coronel Ubiratan, que chegara ao Carandiru na companhia do assessor de assuntos penitenciários. O secretário diz ter autorizado por telefone a invasão sem ter falado com o governador no interior do Estado.
 
Uma das epígrafes do trabalho traz uma frase com que o ex-governador um dia resumiu os acontecimentos: “Quem não reagiu está vivo”. Duas semanas antes do aniversário de 20 anos do massacre, o atual governador, Geraldo Alckmin (PSDB), voltaria a usar a mesma frase para justificar a morte, pela Rota, de nove suspeitos num sítio da região metropolitana.
 
O inquérito acabaria remetido à Justiça comum, onde caberia ao procurador-geral de Justiça fazer a representação contra a cúpula do governo. O atual vice-presidente, Michel Temer, cumpria, no dia do massacre, sua última semana no cargo. Três governos e seis procuradores-gerais depois, nenhuma denúncia foi oferecida.
 
“Toda a jurisprudência internacional mostra que a responsabilidade aumenta quanto mais longe se está de quem pegou nas armas; o Carandiru vai na contramão”, diz Marta Machado.
 
A instrução do processo teve dificuldade de atribuir responsabilidades individuais aos policiais porque os vestígios do massacre foram apagados do pavilhão 9. “O local dava nítidas demonstrações de que fora violado, tornando-o inidôneo para a perícia”, diz o inquérito conduzido pela PM. Nos depoimentos dos policiais os detentos aparecem munidos de armas de fogo, facas contaminadas com sangue de aidéticos e sacos plásticos com urina. Mas no confronto não houve baixas policiais. O IML constatou que a maior parte dos 111 mortos foi atingida por mais de cinco tiros.
 
Se na Justiça o inquérito levou 20 anos de recursos, protelações e prescrições, na esfera administrativa a impunidade é ainda mais gritante.
 
Com base na Lei de acesso à informação, as pesquisadoras pediram os processos administrativos que tramitam na Polícia Militar. Receberam dezenas deles: um policial fora punido porque a farda estava incompleta e outro porque se atrasara na hora de se apresentar ao quartel. Não havia um único processo sobre o que acontecera naquele 2 de outubro de 1992.
 
O desdobramento mais concreto daquele massacre até o momento parece ter sido o PCC. No livro que escreveu sobre a organização (“Junto e Misturado”, 2010), a antropóloga Karina Biondi recupera o depoimento à CPI do Tráfico de Armas em que Marcos Camacho, o Marcola, situa o massacre como determinante para o surgimento da facção criminosa que passou a liderar.
 
Ao propor, a um ano e meio da reeleição, que menores infratores tenham punições ampliadas Alckmin parece ver potencial eleitoral no discurso do endurecimento penal.
 
O médico Dráuzio Varella, que trabalhou no Carandiru, escreveu um artigo intitulado “Não haverá justiça sem punição do mandante”. Recebeu três comentários no UOL, todos criticando sua posição. Num deles, uma leitora resume o espírito de parte do eleitorado que assistirá ao julgamento: “Pensava eu que encontraria aqui algo relacionado à corrupção. Esta frase salta do meu coração e do de milhões de outros brasileiros que perderam entes queridos, nas ruas, dentro dos seus lares, por esses mesmos bandidos citados na reportagem. E esses mandantes, na maioria desconhecidos, quem irá puni-los?”
 
Quando a demanda por justiçamento aparece assim, embaralhada, favorece um Estado policial, sem que este ofereça garantia de mais transparência e menos violência.
 
Maria Cristina Fernandes é editora de Política
 
 
10/04/2013

Saiba como foram realizadas as oficinas metodológicas em 2012

Com cerca de 60 participantes, as três oficinas reuniram pesquisadores do Cebrap, de outras instituições e também estudantes e pesquisadores.

Categorias Geral

 

Conheça como seu conteúdo e andamento:

Oficina ‘Novíssimas Ferramentas de Trabalho’

A oficina discutiu a utilização de novas ferramentas de pesquisa e instrumentos de análise a partir das experiências realizadas no âmbito do projeto “Políticas de inclusão e transição no mercado de trabalho – o caso do ProUni”, trabalho coordenado por Márcia Lima, professora de Sociologia da USP e pesquisadora do Cebrap. Segundo Danilo Torini, dado o segmento da população trabalhada, a equipe entendeu viável trabalhar com as redes sociais - Orkut, Facebook, Linkedin, Twitter -  como ferramenta de levantamento de dados, recrutamento e rastreamento de comunidades de indivíduos e organizações.

“Trabalhamos com questionários online, procurando contextos possíveis de sua aplicação e ficamos atentos às vantagens e às desvantagens de sua utilização.”, explica Alexandre Abdal, pesquisador do Cebrap e professor da FGV, que com Torini,  conduziu a oficina das novas ferramentas.

Oficina: “Redes sociais como base de pesquisa”

Com base nas pesquisas desenvolvidas pelo Núcleo de Democracia e Ação Coletiva, a oficina buscou discutir algumas formas de olhar a realidade social a partir de um enfoque relacional. Com o intuito de formalizar e sistematizar tais relações sociais pesquisadas, Adrián Gurza Lavalle, coordenador de pesquisas no Cebrap relativas a democracia e ação coletiva, pergunta: “O que a análise de redes revela que os outros métodos e ferramentas não conseguem dizer? Esse é um aspecto que procurarmos estar atentos”.

Oficina: “Construção de Indicadores”

Essa terceira oficina teve como foco a produção de indicadores, indica Vera Schattan: “Embasada em um estudo comparativo de conselhos de saúde, a oficina pretende contribuir para a discussão sobre a construção de indicadores a partir da análise de processos eminentemente qualitativos.”

A partir do debate teórico foram definidas variáveis que orientaram a coleta de dados e que permitiram a comparação de processos participativos.  Entre outros estão a pesquisa de opinião de conselheiros, a análise de conteúdo a partir de atas de reuniões e o exame das dinâmicas desses conselhos.

09/04/2013

CEM e Cebrap convidam para seminário “O centro de São Paulo voltou a crescer?” no dia 12 de abril

Evento integra a série de cursos, oficinas, seminários, debates e outras atividades do Cebrap tradicionalmente abertos ao público.

Categorias Geral

 

Centro de Estudos da Metrópole (CEM) e o Cebrap convidam para o seminário “O centro de São Paulo voltou a crescer? Trajetórias demográficas diversas e heterogeneidade nos anos 2000”, que será dirigido pelo Prof. Dr.Eduardo Marques (Departamento de Ciência Política - FFLCH / USP), diretor do INCT e pesquisador do Cebrap e do CEM. 

 
Confira resumo do trabalho que será apresentado:
 
O centro de São Paulo voltou a crescer? Trajetórias demográficas diversas e heterogeneidade nos anos 2000
 
Eduardo Marques[1] e Carolina Requena[2]
 
 
Este artigo analisa o crescimento populacional intra-urbano em São Paulo nos anos 2000. A publicação recente das informações do Censo de 2010 reacendeu o debate sobre o crescimento na metrópole, em especial relativo às suas áreas centrais. Utilizando informações desagregadas espacialmente, o artigo mostra a presença de padrões de crescimento substancialmente mais complexos do que os considerados no debate, com taxas de crescimento diferenciadas em diversas regiões, tanto no centro quanto nas periferias. As causas para tais tendências demográficas são exploradas com indicadores sociais e relativos à produção imobiliária, indicando a presença de diversas trajetórias de crescimento com crescente heterogeneidade no tecido metropolitano.
 
 
[1] Professor Livre-docente do Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo e pesquisador do Centro de Estudos da Metrópole.
 
[2] Mestranda do Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo e pesquisadora junior do Centro de Estudos da Metrópole.
 
Serviço
 
Quando: dia 12 de abril
Horário: 11 horas.
Evento aberto e franqueado ao público externo
Inscrições: no local no próprio dia do evento.
 
02/04/2013

Maria Dirce Pinho, pesquisadora do Cebrap, recebe prêmio da Johns Hopkins

Pesquisadora do Programa de Formação de Pesquisadoras Negras da Área de População e Sociedade do Cebrap, no período 1992 a 1998, Maria Dirce Pinho (Dida), recebeu o prêmio “Tchova Tchova – Life's History” pelo trabalho que vem desenvolvendo desde 2008 em Moçambique.

A premiação foi  concedida pela Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health CCP.

Conheça o programa Tchova Tchova, Histórias de Vida - Diálogos Comunitários.

Mais informações neste link

01/04/2013

Agenda abril e maio: saiba quais são os próximos Seminários da Casa Cebrap

Já estão marcados os próximos Seminários da Casa, espaço de apresentação de pesquisas e de debates. Os eventos são abertos ao público externo. Confira a programação.

Eis os seminários já agendados para o primeiro semestre de 2013.

O centro de São Paulo voltou a crescer? Trajetórias demográficas diversas e heterogeneidade nos anos 2000

12 de abril, sexta-feira, às 11h 
Auditório do Cebrap
 
Vanguardas em retrocesso: ensaios de história social e intelectual do modernismo latino-americano
24 de maio, sexta-feira, às 11h 
Auditório do Cebrap
 
Outros seminários e também oficinas estão sendo programados para o primeiro semestre de 2013. Novas informações em breve neste site. 
Rua Morgado de Mateus, 615 - Vila Mariana - São Paulo/SP | CEP 04015-051 | (11) 5574 0399 / (11) 5574 5928 | cebrap.comunicacao@gmail.com