O que somos

O Projeto Salário Digno Brasil é uma parceria do CEBRAP com o Anker Research Institute e tem como objetivo estimar valores Anker de Salário Digno e Renda Digna para todas as localidades do Brasil, contribuindo para o bem estar das famílias e dos trabalhadores e trabalhadoras.

O que fazemos

  • Estimativas de Salário Digno e Renda Digna de acordo com a Metodologia Anker;
  • Diagnóstico do salário vigente (prevailling wage) e análise da lacuna (gap analysis) em relação ao salário digno e à renda digna;
  • Treinamentos, cursos e workshops sobre Salário Digno e Renda Digna a partir da Metodologia Anker;
  • Desenvolvimento de ferramentas para análise do Salário Digno e da Renda Digna (incluindo análise de lacunas/gap analysis).

Anker Research Institute

Visão: Realizar e disseminar pesquisas, análises e treinamentos de alta qualidade relacionados ao salário digno e à renda digna usando a Metodologia Anker para informar e influenciar empresas, capacitar trabalhadores e moldar políticas públicas, contribuindo assim para a melhoria da qualidade de vida e dos meios de subsistência sustentáveis para trabalhadores e suas famílias em todo lugar.

Site: www.ankerinstitute.org

Sobre
  • O Anker Research Institute inclui uma rede global de pesquisadores e instituições de pesquisa em muitos países do mundo com o objetivo de gerar conhecimento para melhorar os padrões de vida dos trabalhadores e suas famílias a um nível decente em todas as cadeias de suprimentos globais. O Instituto é dirigido por Richard Anker e Martha Anker e atualmente é hospedado pela Social Accountability International (SAI) em Nova York, EUA.
  • O Anker Research Institute é membro fundador da Global Living Wage Coalition (GLWC) e trabalha em estreita colaboração com a Action Network da GLWC em uma parceria exclusiva de conhecimento e ação para melhorar a eficácia das estratégias de salário digno e gerar melhorias salariais em todo o mundo.
Estimativas já realizadas
  • Mais de 50 Benchmarks em mais de 35 países (2 no Brasil).
  • 55 Reference Values em mais de 25 países.
  • Estimativas Anker Subnacionais para os estados brasileiros.

Agenda Global do Salário Digno:

  • Há muito se sabe que o trabalho e a renda não são garantia de uma vida decente (pobreza no trabalho/pobres que trabalham);
  • Em 2015, o trabalho decente e os quatro pilares da Agenda do Trabalho Decente tornaram-se elementos integrantes da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas;
  • A pandemia da COVID-19 aprofundou a vulnerabilidade histórica de milhões de trabalhadores em todo o mundo; Organizações multilaterais, como várias agências da ONU (OIT, OMS, FAO, PACTO GLOBAL), OCDE, WEF, etc., destacaram o papel de um salário digno na promoção de um mundo mais justo e menos desigual;
  • Há uma demanda crescente por Direitos Humanos, e o compromisso com um salário digno está sendo incluído como uma das principais metas nas cadeias de suprimentos em todo o mundo;
  • Os governos estão incorporando cada vez mais a discussão sobre salários dignos ao debate sobre salários mínimos e custo de vida.
  • O salário digno e/ou renda digna estão relacionados a vários ODSs, especialmente 1, 2, 4, 5, 8,10 e 11, ligados à erradicação da pobreza e da fome, ao direito ao trabalho decente, à educação de qualidade, à igualdade de gênero, ao bem-estar, à moradia e à redução das desigualdades.

Por que salário digno?

  • O salário digno é uma das condições prévias para o trabalho digno;
  • Quase todos os trabalhadores do mundo dependem quase que exclusivamente de salários para subsistência;
  • O salário digno é um instrumento importante para reduzir a pobreza e a desigualdade nas cadeias de valor e em diferentes regiões e países do mundo;
  • A realidade se impõe: O acordo entre os atores envolvidos é essencial para o desenvolvimento socioeconômico;
  • O apoio da sociedade civil global é estratégico para a agenda de salário digno.

Quem somos

Richard Anker

Economista sênior da OIT (aposentado)

Atualmente é pesquisador da Universidade de Massachusetts, Amherst.

Ampla experiência com países em desenvolvimento.

Escreveu 16 livros sobre trabalho decente, pobreza, gênero e trabalho, trabalho infantil, participação no trabalho e comportamento reprodutivo.)

Tem pesquisado e desenvolvido metodologia para o salário digno desde 2003.

Martha Anker

Estatística aposentada da OMS.

Ampla experiência com países em desenvolvimento.

Escreveu 8 livros sobre métodos de identificação rápida, grupos focais, instalações de saúde, estimativas de mortalidade, gênero e doenças relacionadas.

Tem pesquisado e desenvolvido metodologia para salários de bem-estar desde 2009.

Ian Prates

Coordenador de Inovação e Pesquisador Sênior do Anker Research Institute/Social Accountability International.

Pesquisador do Cebrap há mais de 10 anos, onde também coordena o Projeto “Salário Digno Brasil”.

Membro do Comitê Consultivo de Salário Digno do Pacto Global da ONU no Brasil.
Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), com um período como pesquisador visitante na Universidade de Columbia.

Nathália Porto

Bacharel em Ciências Sociais, Mestra em Ciência Política e Especialista em Estatística pela UFMG. É profissional de pesquisa e análise de dados sociais há quase 15 anos, ao longo dos quais acumulou experiências de trabalho junto a organismos internacionais, instituições públicas, privadas e do terceiro setor – no Brasil e em outros mercados em desenvolvimento.

É, também, docente do IEC/PUC Minas e ministra treinamentos in-company em técnicas de pesquisa e comunicação de resultados. Ao lado de 5 outras profissionais, fundou a A Casa Elza em 2022, um coletivo de mulheres com foco no encontro de diferentes saberes e no estímulo à criatividade e à produção autoral (individual e coletiva) de mulheres.

Alexandre Barbosa

Professor Titular de História Econômica e Economia Brasileira/Internacional no Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade de São Paulo (USP)

Participa do Núcleo de Apoio à Pesquisa Brasil-África da USP.

Tem se dedicado a pesquisas sobre o mercado de trabalho e a desigualdade no Brasil; o pensamento e a prática do desenvolvimento na história brasileira, especialmente a partir da contribuição do economista Rômulo Almeida; e a inserção externa da economia brasileira, com foco nos impactos trazidos pela China e no potencial das relações Sul-Sul.

Carmelita Veneroso

Pesquisadora Sênior do Anker Research Institute/Social Accountability International e no Salário Digno Brasil – CEBRAP

Socióloga e consultora em pesquisa de avaliação e monitoramento de políticas, programas e projetos sociais, e em pesquisa de mercado.

Suas principais áreas de atuação são Estratificação e Desigualdade Social e de Gênero, com foco em Políticas Públicas, Mercado de Trabalho e Indicadores Socioeconômicos e Demográficos.

Levi Oliveira

Ciências Econômicas pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC MG), atualmente envolvido em atividades de M&A e na atração de investimentos nacionais e internacionais.

Possui experiência em análise, estruturação e visualização de dados, além de colaborar com a Blubrain. Também acumula experiência no terceiro setor nas áreas mencionadas anteriormente.