Inclusão produtiva no Brasil rural precisa ser repensada, aponta novo relatório do Cebrap Sustentabilidade

O Cebrap Sustentabilidade, em parceria com as Fundações Arymax e Tide Setubal e o Instituto Humanize, traz a público um relatório recém-elaborado que aborda a inclusão econômica de pessoas e regiões vulneráveis do Brasil rural e interiorano. O trabalho reúne evidências e reflexões que visam a melhorar a qualidade das iniciativas voltadas a esse ambiente.

O documento sustenta que a pandemia de covid-19 agravou o quadro de desemprego e reduziu a capacidade de resposta do setor público e privado no Brasil. Para promover a inclusão produtiva dos mais vulneráveis, o estudo situa como imprescindível a renovação das políticas públicas e das experiências produzidas por organizações da sociedade civil.

Para tornar isso possível, é necessário, segundo o trabalho, contar com uma visão sistêmica e multidimensional da inclusão produtiva, ampliar a conexão entre as agendas social, ambiental e produtiva, estimular a melhoria do ambiente econômico em que estão os vulneráveis, promover a coordenação de ações entre Estado, organizações sociais e setor privado, focar na valorização da diversidade biológica e cultural das regiões rurais brasileiras, entre outros.

Elaborado pela Cátedra Itinerante sobre Inclusão Produtiva Rural, o relatório aborda com mais profundidade esses pontos, apresenta dados e aponta caminhos possíveis para oferecer uma visão ampla sobre o tema a pesquisadores, lideranças de organizações da sociedade civil, do setor empresarial e do setor público.

Segundo o estudo, uma das chaves para a inclusão rural está na diversificação econômica e no crescente peso das chamadas “ocupações rurais não agrícolas”. A inclusão produtiva estritamente pela via agrícola não parece promissora, uma vez que as inovações tecnológicas e a mecanização do campo reduziram substancialmente a demanda por mão de obra.

Outra importante conclusão é a crítica à dicotomia que opõe o agronegócio à agricultura familiar. É preciso ir além disso, segundo os autores, e compreender a heterogeneidade observada no campo, onde se nota a convivência, ainda que conflituosa, entre os dois modelos de produção agrícola.

O estudo aborda ainda a necessidade de se pensar em novas formas de uso dos recursos naturais, para além da produção agrícola. Trata-se de algo que vem sendo valorizado com a narrativa da bioeconomia e de novas tecnologias como aplicativos e plataformas online.

O relatório está dividido em quatro capítulos. No primeiro, apresenta um retrato da heterogeneidade nas áreas rurais brasileiras, que vão muito além da dicotomia entre grande agronegócio e agricultura familiar. O segundo capítulo apresenta uma análise sobre políticas de inclusão produtiva no Brasil, México, Colômbia, Peru e Chile. A terceira parte do documento aborda a digitalização da agricultura e dos sistemas alimentares. O quarto e último capítulo do relatório evidencia um tema estratégico para a inclusão produtiva rural: a bioeconomia.

Confira aqui o relatório completo. 

Leia Também

O Desafio Mobilidade Itaú-Cebrap 2017 tem o objetivo de fomentar a produção de conhecimento sobre mobilidade por bicicleta no Brasil. O programa apoiará a produção de cinco artigos acadêmicos inéditos sobre o tema “A bicicleta na mobilidade urbana”. Serão selecionados cinco pesquisadores com propostas de estudos que serão desenvolvidos por seis meses. Os selecionados receberão […]

Nesta quarta, 21 de agosto, Nadya Araújo Guimarães foi homenageada por sua contribuição à docência e pesquisa na abertura do V Seminário Discente do Programa de pós-graduação em Sociologia da USP. Na ocasião, ministrou a conferência “A sociologia contra-ataca: a relevância da pesquisa e da universidade”. A homenageada analisou a trajetória brasileira de institucionalização do […]