Mercado de trabalho e envelhecimento populacional são os temas do Desafio Longeviver Itaú-Cebrap

A segunda edição do Desafio Longeviver nos convida mais uma vez a refletir sobre o envelhecimento da população brasileira e os desafios para o mercado de trabalho. Iniciativa do Cebrap e do Itaú Viver Mais, o programa tem como objetivo incentivar a produção de conhecimento e apoiar pesquisadores que tenham interesse em investigar a temática.

Cinco pesquisadores, de diferentes partes do Brasil, foram selecionados para participar desta edição do Desafio Longeviver. O resultado foi uma publicação que reúne os cinco artigos acadêmicos produzidos com abordagens inéditas a respeito do tema “Envelhecimento da população e os desafios para o mercado de trabalho”.

A publicação será lançada no dia 24 de maio, às 11h, em evento ao vivo pelo canal do Itaú Viver Mais no YouTube.

O evento conta com a presença de Luciana Campos, gerente de Relações Institucionais do Itaú Unibanco, de Alvaro Comin, ex-presidente do Cebrap e professor do departamento de Sociologia da USP, que fará um seminário sobre o tema “ o futuro do trabalho”, e da autora Adrielma Santos, que contará sua experiência como participante do Desafio. A mediação do evento será feita pela Graziela Castello, coordenadora do estudo, pesquisadora e diretora administrativa do Cebrap.

Confira a publicação:

Conheça a publicação

Adrielma Santos investigou os efeitos da inclusão digital na empregabilidade de pessoas com idade acima de 60 anos.

O artigo analisa como alguns marcadores clássicos de desigualdade (faixa etária, renda, escolaridade etc.) e a inserção no mundo do trabalho impactam e/ou são impactados pelo uso efetivo, qualificado e diverso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) por pessoas com 60 anos ou mais no Brasil. A pesquisa revela que, apesar do contexto de ampla exclusão digital dos idosos brasileiros, a idade não é um determinante exclusivo para uma pessoa ser incluída digitalmente de forma qualificada.

Já Anabel Cardoso fez um mapeamento das práticas empresariais relacionadas a políticas de inclusão de pessoas idosas em grandes empresas brasileiras. Com entrevista de profundidade e análise documental, a autora analisou como funcionam os processos de recrutamento, seleção e contratação destes funcionários, bem como seu bem-estar e qualidade de vida no ambiente laboral, as políticas de aposentadoria e os preconceitos de idade, entre outros temas. Os resultados apontam que as políticas de inclusão produtiva ainda são muito incipientes nas empresas e que faltam no país políticas, leis ou ações governamentais para fomentar essa agenda.

Rodrigo Cardoso Bonicenha apresentou os resultados da pesquisa realizada sobre a mobilidade urbana de pessoas idosas no acesso ao trabalho, emprego e serviços na cidade de São Paulo. O artigo analisou os vínculos empregatícios, a população ativa, o setor de atividade, a escolaridade e as condições de deslocamento da população idosa paulistana. Os resultados apontaram uma heterogeneidade das condições de trabalho e deslocamento dos idosos da capital paulista a depender de seu gênero, escolaridade e renda.

A condição de vida e de trabalho da mulher idosa em áreas rurais foi tema do artigo de Erica Karine Santana Santos. Ela estudou as desigualdades de gênero no campo a partir da análise das condições de vida e das representações do trabalho entre idosas. Por meio de entrevistas de profundidade, a autora analisou a inserção e a trajetória das entrevistadas no trabalho rural, os significados do trabalho, o envelhecimento no campo, a intersecção entre o trabalho doméstico e o trabalho na roça, os aspectos econômicos da vida e os desejos e perspectivas de futuro destas trabalhadoras.

O assunto abordado por Lucas Cunha envolve uma pesquisa sobre a previdência social no Brasil e no Chile. O autor fez uma comparação da trajetória histórica dos dois sistemas previdenciários e discutiu a eficiência, as desigualdades e as distorções nas duas coberturas previdenciárias. Os resultados apontam que mesmo não havendo sistema de previdência que consiga alocar com alta eficiência os rendimentos entre os beneficiários, as reformas buscaram melhorar as desigualdades e diminuir as distorções dos sistemas.

Confira a programação completa do evento

11h – Abertura
Apresentação: Graziela Castello (Cebrap)

11h10 – Itaú Viver Mais
Apresentação: Luciana Campos (Itaú Unibanco)

11h20 – Seminário “O futuro do trabalho”
Apresentação: Alvaro Comin, (USP/Cebrap)

11h45 – Experiência de ser bolsista no Desafio Longeviver
Apresentação: Adrielma Santos

11h55 – Balanço sobre as falas e comentários dos palestrantes
Moderação: Graziela Castello (Cebrap)

12h10 – Lançamento Edital Desafio Longeviver 2022
Apresentação: Graziela Castello (Cebrap)

Leia Também

O Projeto Afro Memória é uma iniciativa que se propõe a recuperar, preservar e disseminar a memória negra através da captação, organização, catalogação e digitalização de acervos do ativismo negro contemporâneo. Já foram realizadas três lives nas redes sociais do Cebrap sobre o projeto. O Projeto Afro Memória é uma parceria Afro Cebrap, Arquivo Edgard […]

Os 40 anos do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) são lembrados hoje no Sesc Vila Mariana em evento que marca o lançamento do livro e do DVD Retrato de Grupo. Os 40 anos do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) são lembrados hoje no Sesc Vila Mariana em evento que marca o […]