Paul Singer, por Frederico Mazzucchelli

“Aos meus filhos e seus companheiros de geração, para que façam mais e melhor”. Eis a dedicatória de Paul Singer em ‘Desenvolvimento e Crise’ [Difusão Europeia do Livro, 1968]. Tais palavras têm um significado múltiplo: o amor incondicional aos seus, o compromisso com a transformação, a esperança na juventude e a permanente busca do aperfeiçoamento. Paul carregou esses sentimentos e aspirações ao longo de toda sua vida. A coerência e correção de sua conduta hoje são raras. A sociedade do espetáculo, dos protagonistas efêmeros, pouca importância dá a homens de sua envergadura moral.

Foi como seu assistente de pesquisa que o conheci em 1970, quando ingressei no CEBRAP. Tive a honra de auxiliá-lo na elaboração do Caderno CEBRAP ‘Emprego e Força de Trabalho no Brasil’. Como economista, Paul reuniu incontáveis atributos: sua sólida formação teórica incluía o domínio das obras de Marx, Keynes, Smith, Ricardo, Marshall, Galbraith, entre tantos, em notória contraposição ao vazio intelectual da síntese neoclássica, monotonamente declamada nos anos 1960 e 1970.

Seu domínio da história enriqueceu de modo marcante o alcance de suas investigações. Em seus livros propedêuticos ‘Curso de Introdução à Economia Política’ [Forense Universitária, 1975] e ‘Aprender Economia’ [Brasiliense, 1983] é explícita a referência às conjunturas históricas, o que dá sentido e profundidade à sua exposição. O contraste com os textos introdutórios da entediante e inócua Ciência Econômica (Economics) é flagrante.

Seu rigor analítico se destacava pelo criterioso uso dos dados: chamava atenção a facilidade com que Paul concebia, elaborava e interpretava as informações estatísticas. Quem lê ‘Dominação e Desigualdade – Estrutura de Classes e Repartição da Renda no Brasil’ [Paz e Terra, 1981] se dá conta da robusta fundamentação empírica de sua reflexão.

Paul, na verdade, era incansável. Seus trabalhos sobre urbanização – ‘Desenvolvimento Econômico e Evolução Urbana’ [Companhia Editora Nacional, 1968] e ‘Economia Política da Urbanização’ [Brasiliense/CEBRAP, 1973] -, sobre a conjuntura econômica nacional – ‘A Crise do Milagre’ [Paz e Terra, 1976] e ‘O Dia da Lagarta – Democratização e Conflito no Brasil do Cruzado’ [Brasilense 1987] -, e sua atuação governamental no âmbito da economia solidária evidenciam a ação de um intelectual sempre disposto a ampliar o objeto de suas investigações e sempre pronto a enfrentar desafios.

A marcha da vida é inexorável. Paul nos deixou, assim como tantos companheiros queridos do CEBRAP – Octávio Ianni, Juarez Brandão Lopes, Cândido Procópio Ferreira Camargo, Carlos Estevam Martins – já nos deixaram. Paul foi um socialista convicto e um democrata exemplar. A delicadeza de seus gestos, a permanente disposição ao diálogo e sua insuperável didática serão sempre lembradas. Paul nos deixa um legado de honradez, trabalho e solidariedade. Façamos por merecê-lo!

Frederico Mazzucchelli foi por trinta anos professor do Instituto de Economia da Unicamp e, entre 1987 e 1992, foi secretário do Planejamento e secretário da Fazenda do Estado de São Paulo. É autor de livros como ‘A contradição em processo: o capitalismo e suas crises’ [1985], ‘Os anos de chumbo: economia e política internacional no entreguerras’ [2009], ‘Os dias de sol: a trajetória do capitalismo no pós-guerra’ [2014] e ‘As ideias e os fatos: ensaios em teoria e história’ [2017].

p.s.: A ilustração que acompanha este texto é de Augusto Ortiz dos Zevallos e foi feita durante o seminário “La Ciudad Latino Americana del Futuro” [Buenos Aires, 1990].

Leia Também

Aos 91 anos de idade, José Arthur Giannotti faleceu no dia 27 de julho de 2021, em São Paulo. Giannotti nasceu em São Carlos (SP) em 25 de fevereiro de 1930. Ingressou no curso de filosofia da USP em 1950, universidade pela qual obteve seu doutoramento em filosofia, em 1960. Tornou-se professor do Departamento de […]