Seminários CEBRAP – “Dissonância em concerto: a inauguração da Sala São Paulo”

A última edição do Seminários Cebrap de 2017 aconteceu no Auditório Elza Berquó, em 24 de novembro, e contou com a presença de Ricardo Teperman, antropólogo, editor executivo da Novos Estudos Cebrap e editor da Companhia das Letras. O tema do encontro foi “Dissonância em concerto: a inauguração da Sala São Paulo”, parte de sua tese de doutorado em Antropologia Social na USP.

Como é costume no Cebrap, a apresentação de um seminário é seguida de uma discussão aberta e Teperman tem lembranças muito vívidas de como este debate específico somou ao trabalho.

“Claro que apresentar um seminário no Cebrap implica sempre em refletir sobre as dimensões políticas de seu objeto de estudo – qualquer que seja ele. Após a rodada de comentários dos pesquisadores da casa, acabei mencionando a foto oficial de descerramento da placa inaugural da Sala São Paulo, em que figuram Mario e Lila Covas, Fernando Henrique e Ruth Cardoso, além do secretário de Cultura Marcos Mendonça. A ausência do prefeito Celso Pitta não é fortuita: a pedido do cerimonial de Covas, o então vice-governador Geraldo Alckmim havia dado sumiço no prefeito, gentilmente acompanhando-o até seu lugar na sala de concertos. O episódio ficou de fora da tese por me parecer apenas anedótico. Um equívoco, e um bom problema para enfrentar antes de pensar em livro”, afirmou o antropólogo.

Veja abaixo o seminário na íntegra.

Leia Também

A segunda edição do Desafio Longeviver nos convida mais uma vez a refletir sobre o envelhecimento da população brasileira e os desafios para o mercado de trabalho.

O Cebrap lamenta profundamente o falecimento de um de seus fundadores, o economista Paul Singer, na tarde desta segunda-feira, 16 de abril de 2018. ​Paul teve enorme relevância para o Cebrap e para o país, por suas pesquisas [caso de ‘São Paulo 1975: Crescimento e Pobreza’], por seus escritos e sua atuação pública. Economista inicialmente […]

“‘Eu sou uma visionária.’ É assim, racional e sem falsa modéstia, que Elza Salvatori Berquó costuma se apresentar a novos interlocutores. De fato, quinze minutos de conversa bastam para comprovar que a definição cai muito bem a esta matemática de 92 anos, com mais de sessenta deles dedicados a transformar dados estatísticos em inéditos estudos […]