Cebrap Sustentabilidade apoia projeto de acervo onírico e compartilhamento de sonhos associados às mudanças do clima

Que tipo de encontros entre pessoas, desejos e ideias pode produzir um sonho? Como o potencial de organização coletiva dos conteúdos oníricos pode ajudar na construção de alternativas sociais e econômicas para lidar com o aquecimento do planeta, as mudanças extremas no clima e suas consequências?

Pensando nessas questões, o projeto Jacarandá – Sonhar em Rede aposta na criação de um acervo circulante composto por relatos de crianças e adultos que têm sonhado o mundo. A equipe composta por psicanalistas e pesquisadores de diferentes áreas vai recolher e compartilhar sonhos que as pessoas associam ao aquecimento do planeta e aos impactos concretos e subjetivos das mudanças extremas do clima.

O projeto nasceu como desdobramento de pesquisas sobre os impactos subjetivos das mudanças climáticas em iniciativa coordenada pela psicanalista e antropóloga Mariana Leal de Barros, pós-doutoranda pelo Cebrap Sustentabilidade com o projeto : “Juventudes e emergência do clima: coletividade, reparação e sustentação de desejo no ativismo socioambiental negro e indígena”.

A Jacarandá vai compartilhar em seus canais trechos e outros registros dos sonhos recebidos. A ideia é que essa partilha possa ajudar a criar novas redes de percepção e organização, redes que ofereçam sustentação aos assombros, mas também provoquem um exercício de criação imaginativa coletiva e também apontem possibilidades de organização social, política e comunitária.

O acervo também poderá ser trabalhado futuramente como base de outras pesquisas, além de registrar no tempo e com as próprias palavras dos sonhadores um retrato de produções inconscientes de uma época marcada por tantos impasses e pelo fortalecimento de lutas que articulem a problemática ambiental com reparação de desigualdades e violências às populações mais vulneráveis.

“Alguns diriam que não temos mais tempo, é o fim. Mas para quem o fim começou agora? Para quem estava confortável?  A vida sem garantia de futuro, empobrecida e ameaçada já é vivida pela maior parte da população mundial há muito tempo. De fato, são muitas lutas necessárias, mal sabemos por onde começar. Mas o perigo é que quando os desafios parecem grandes demais, como é o caso do aquecimento do planeta, que intensifica nossos maiores problemas, há o risco de sermos tragados pelo desespero e pela resignação. Já circulam sem estranhamento palavras como eco-ansiedade ou depressão climática, mas essas não são patologias que devem ser tratadas no plano do indivíduo. Ao criar essa rede, a gente faz referência aos laços sociais fundamentais para um enfrentamento que não se dá sozinho, é necessariamente coletivo. Os sonhos já recebidos mostram que há muito medo, assombro e ansiedade, como é comum quando vivemos situações traumáticas, mas há também conteúdos inusitados, aberturas que irrompem, e gostaríamos de dar ouvidos e atenção a isso” (Mariana Leal de Barros)

Por isso, a equipe reforça que não há nenhuma restrição no sentido do conteúdo sonhado: podem ser sonhos angustiados, amedrontados, mas também que tragam imaginações sobre novas possibilidades de habitar o mundo.

A Jacarandá – Sonhar em Rede já está recebendo sonhos. Para enviá-los, basta acessar o página em @jacaranda.sonharemrede e clicar no link da Bio. Podem participar pessoas de todas as idades (os sonhos de menores de idade são enviados pelos responsáveis), e os relatos podem ser feitos por escrito, desenhos ou outros registros artísticos. Os sonhadores terão sua identidade preservada e podem participar do projeto de forma anônima. O site encontra-se em construção e será disponibilizado em breve. Para saber mais, acesse aqui.

 

 

 

 

 

Leia Também

O Cebrap lamenta o falecimento de uma de suas mais antigas associadas, a Professora Maria Nazareth Ferreira. Especialista em movimentos sindicais e cultura popular, Maria Nazareth era professora titular aposentada da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

As Oficinas Afro Memória buscam oferecer formação e capacitação teórica, técnica e política para preservação e difusão de acervos físicos e digitais ligados à memória do ativismo negro no Brasil, para finalidades acadêmicas, jornalísticas educacionais ou ativistas.

Em 2023, os laboratórios do cebrap.lab estão organizados em duas trilhas, uma qualitativa e uma quantitativa, e em labs especiais, focados em técnicas multimétodos, em abordagens amplas de pesquisa ou em grandes bases de dados. Há descontos progressivos para quem cursar mais de um lab, seja ele especial ou das trilhas. De maio até dezembro […]