Cebrap Sustentabilidade apoia projeto de acervo onírico e compartilhamento de sonhos associados às mudanças do clima

Que tipo de encontros entre pessoas, desejos e ideias pode produzir um sonho? Como o potencial de organização coletiva dos conteúdos oníricos pode ajudar na construção de alternativas sociais e econômicas para lidar com o aquecimento do planeta, as mudanças extremas no clima e suas consequências?

Pensando nessas questões, o projeto Jacarandá – Sonhar em Rede aposta na criação de um acervo circulante composto por relatos de crianças e adultos que têm sonhado o mundo. A equipe composta por psicanalistas e pesquisadores de diferentes áreas vai recolher e compartilhar sonhos que as pessoas associam ao aquecimento do planeta e aos impactos concretos e subjetivos das mudanças extremas do clima.

O projeto nasceu como desdobramento de pesquisas sobre os impactos subjetivos das mudanças climáticas em iniciativa coordenada pela psicanalista e antropóloga Mariana Leal de Barros, pós-doutoranda pelo Cebrap Sustentabilidade com o projeto : “Juventudes e emergência do clima: coletividade, reparação e sustentação de desejo no ativismo socioambiental negro e indígena”.

A Jacarandá vai compartilhar em seus canais trechos e outros registros dos sonhos recebidos. A ideia é que essa partilha possa ajudar a criar novas redes de percepção e organização, redes que ofereçam sustentação aos assombros, mas também provoquem um exercício de criação imaginativa coletiva e também apontem possibilidades de organização social, política e comunitária.

O acervo também poderá ser trabalhado futuramente como base de outras pesquisas, além de registrar no tempo e com as próprias palavras dos sonhadores um retrato de produções inconscientes de uma época marcada por tantos impasses e pelo fortalecimento de lutas que articulem a problemática ambiental com reparação de desigualdades e violências às populações mais vulneráveis.

“Alguns diriam que não temos mais tempo, é o fim. Mas para quem o fim começou agora? Para quem estava confortável?  A vida sem garantia de futuro, empobrecida e ameaçada já é vivida pela maior parte da população mundial há muito tempo. De fato, são muitas lutas necessárias, mal sabemos por onde começar. Mas o perigo é que quando os desafios parecem grandes demais, como é o caso do aquecimento do planeta, que intensifica nossos maiores problemas, há o risco de sermos tragados pelo desespero e pela resignação. Já circulam sem estranhamento palavras como eco-ansiedade ou depressão climática, mas essas não são patologias que devem ser tratadas no plano do indivíduo. Ao criar essa rede, a gente faz referência aos laços sociais fundamentais para um enfrentamento que não se dá sozinho, é necessariamente coletivo. Os sonhos já recebidos mostram que há muito medo, assombro e ansiedade, como é comum quando vivemos situações traumáticas, mas há também conteúdos inusitados, aberturas que irrompem, e gostaríamos de dar ouvidos e atenção a isso” (Mariana Leal de Barros)

Por isso, a equipe reforça que não há nenhuma restrição no sentido do conteúdo sonhado: podem ser sonhos angustiados, amedrontados, mas também que tragam imaginações sobre novas possibilidades de habitar o mundo.

A Jacarandá – Sonhar em Rede já está recebendo sonhos. Para enviá-los, basta acessar o página em @jacaranda.sonharemrede e clicar no link da Bio. Podem participar pessoas de todas as idades (os sonhos de menores de idade são enviados pelos responsáveis), e os relatos podem ser feitos por escrito, desenhos ou outros registros artísticos. Os sonhadores terão sua identidade preservada e podem participar do projeto de forma anônima. O site encontra-se em construção e será disponibilizado em breve. Para saber mais, acesse aqui.

 

 

 

 

 

Leia Também

Em mais uma edição da série Diálogos Cebrap/Folha, o ministro do STF, Luis Roberto Barroso, e o professor da USP e pesquisador do Cebrap, Fernando Limongi, debateram sobre os 30 anos da Constituição brasileira, seus avanços, limites e atual crise política. Mediação de Uirá Machado, jornalista da Folha de S. Paulo e editor do caderno […]

O Cebrap anuncia a abertura de inscrições para uma bolsa TT4A financiada pela Fapesp. As inscrições vão até 10 de junho de 2024. Da iniciativa participam, além da entidade financiadora, o Núcleo de Etnografias Urbanas do Cebrap em colaboração com a Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância), […]

Está no ar a quarta edição do Desafio Mobilidade Itaú-Cebrap. Este projeto tem o objetivo de fomentar a produção de conhecimento sobre mobilidade por bicicleta no Brasil. O programa apoiará a produção de cinco artigos acadêmicos inéditos sobre o tema “A bicicleta na mobilidade urbana”. Serão selecionados cinco pesquisadores com propostas de estudos que serão […]

O Cebrap e a Prefeitura de São Paulo, com o apoio do Itaú Unibanco, lançaram nesta semana da versão 2013 do Mapa das Ciclorrotas de São Paulo. O grande destaque dessa nova versão, que pode ser conferida digitalmente aqui, é a inclusão da ciclorrotas na zona leste da capital paulista e a identificação da localização das […]