Cebrap é selecionado em edital da Unesco sobre diversidade cultural

O Intergovernmental Committee for the Protection and Promotion of the Diversity of Cultural Expressions  da Unesco aprovou o financiamento do projeto ‘Strengthening local cultural chains and networks in four brazilian mid sized cultural poles’. Único brasileiro aprovado entre os 7 escolhidos pelo edital, o proposto pelo Cebrap tem como objetivos diretos mapear e diagnosticar as demandas das cadeias de produção cultural locais e desenvolver um programa de capacitação e formação de atores culturais em 4 cidades brasileiras, localizadas em 4 macrorregiões diferentes. São elas: Macapá, no Estado do Amapá [Região Norte]; Embu da Artes, no Estado de São Paulo [Região Sudeste]; Toledo, no Estado do Paraná [Região Sul] e Serra Talhada, no Estado de Pernambuco [Região Nordeste].

Os objetivos mais amplos são o de fortalecer as cadeias de produção cultural locais de cada uma dessas regiões e ampliar/qualificar a participação da sociedade civil nas estruturas de governança da cultura, estimulando e melhorando a capacidade de diálogo entre os atores culturais da sociedade e os que estão ocupando cargos públicos – o que fortalece o sistema de governança da cultura de maneira mais geral.

Detalhando o projeto

O projeto, que tem previsão de início em março, envolve duas grandes linhas de atividades, a serem desenvolvidas ao longo de 18 meses. A primeira, um programa de formação e capacitação de atores culturais a ser realizado em cada uma das cidades, com o objetivo de ampliar e qualificar as possibilidades de atuação nas cadeias locais de produção cultural, bem como favorecer uma interlocução mais qualificada entre gestores públicos e atores da sociedade civil. Essa ação de formação compreende duas etapas: uma formação mais geral e aberta, com 32 horas de duração; e uma formação específica para 5 atores pré-selecionados para atuarem como multiplicadores locais, que receberão treinamento de 20 horas para atuarem na etapa seguinte, de mapeamento das demandas locais das cadeias de produção cultural. A segunda linha de atividades compreende o mapeamento e o diagnóstico das principais demandas dos grupos e agentes que atuam nas cadeias de produção cultural em cada cidade. Esse levantamento será realizado pela equipe proponente em parceria com os 5 multiplicadores formados em cada região, que receberão uma bolsa.

A proposta é que conhecimento produzido e compartilhado nessas duas grandes linhas de atividades possa ser mobilizado pelos agentes culturais [públicos e da sociedade civil] em seus projetos e intervenções futuros. Além disso, espera-se que a articulação entre esses agentes seja fortalecida, o que colabora, de modo geral, para uma participação mais qualificada na formulação de políticas culturais [fortalecendo, por exemplo, as diretrizes do Sistema Nacional de Cultura], bem como para o fortalecimento das cadeias de produção culturais locais, considerando as expressões culturais em toda a sua diversidade.

A escolha das cidades

As quatro cidades foram escolhidas pela diversidade de macrorregiões e de expressões culturais que representam: Embu das Artes é tradicionalmente conhecida pelas atividades artesanais, mas também faz parte da periferia da maior região metropolitana do país, e portanto apresenta uma produção forte no que hoje vem sendo conhecido como “cultura periférica”; Toledo combina representações como a de “cultura universitária” e “cultura rural”, além de estar próxima às fronteiras entre Brasil, Paraguai e Argentina, o que também traz uma característica de interculturalidade; Macapá mistura atributos de uma pequena capital [com suas culturas mais centrais e mais periféricas] a uma forte presença de culturas indígenas; e Serra Talhada traz a forte presença das culturas tradicionais e populares, que possuem mecanismos específicos de organização e transmissão e enfrentam questões também específicas [por exemplo, decorrentes da difusão de conteúdos mais massivos ou industriais, do crescimento da adesão a meios como a Internet, entre outros].

Outro critério de escolha das cidades foi a presença de equipamentos CEUs das Artes, do Ministério da Cultura. A ideia é que as atividades propostas tenham esses equipamentos como uma centralidade, ou um ponto de conexão empírico entre os atores sociais da sociedade civil e do governo. Com isso espera-se colaborar para o fortalecimento da interlocução dos CEUs com as comunidades culturais locais [o que é uma diretriz do próprio programa] e portanto reforçar sua característica de descentralização e adaptação aos contextos locais [considerando que o Brasil é um país bastante diverso e com dimensões continentais]. Para isso, pretende-se envolver a gestão dos equipamentos CEUs nas atividades de formação e no compartilhamento dos resultados do mapeamento e diagnóstico dos contextos locais, o que tende também a ampliar as informações e o conhecimento que os gestores possuem sobre as cadeias de produção cultural local – corroborando uma tradição de décadas que o Cebrap possui de gerar insumos para a formulação e o desenvolvimento de políticas públicas.

[Informações fornecidas pela equipe do projeto no Cebrap: Maria Carolina Vasconcelos Oliveira, Ana Paula do Val, Luísa Adib Dino e Danilo Jr de Oliveira]

Leia Também

Foi realizado na noite desta quinta-feira, 13/7, em Berlin, o encontro de abertura do seminário de inauguração doMerian Centre Conviviality in Unequal Societies: Perspectives from Latin America. A iniciativa é formada por um consórcio de sete instituições de pesquisa de ciências sociais e humanidades – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP), Universidade de São […]

O Cebrap lamenta e condena a ação da Polícia Federal contra a reitoria e professores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), três meses depois de ação de mesmo tipo na Universidade Federal de Santa Catarina. As universidades, como todas as instituições públicas, estão sujeitas, por lei, à fiscalização dos órgãos competentes. Contudo, o uso […]

Nós, pesquisadores e professores do AFRO/Cebrap, vimos com espanto e indignação a nomeação de Sérgio Camargo para o cargo de presidente da Fundação Palmares. Como divulgado nos meios de comunicação nacionais, Sérgio Camargo não apresenta competência técnica nem conhecimento teórico e histórico do próprio órgão para o qual foi designado representante maior, tampouco representa os […]

Mais uma vez o Cebrap foi apontado com um dos melhores think tanks do Brasil e do mundo no Global Go To Think Tank, iniciativa criada pela Universidade de Pensilvânia, dos Estados Unidos. Nesta edição o Cebrap foi apontado como o 15º melhor think tank da América Latina e Caribe, entre todas as categorias definidas. […]