What a 12th Century Muslim says to a 21st Century Christian in Andalusia: Inheriting a Complex Religious Identity

Desde o final do século XIX, muitos espanhóis – principalmente os que residem no sul do país – passaram a sentir que a Andaluzia está ligada vitalmente à al-Andalus (Iberia islâmica medieval) e que os desafios enfrentados por eles, hoje – e pelos europeus de maneira mais ampla –, exigem o reconhecimento dessa identidade e de sua continuidade histórica. Descobrindo-se herdeiros de uma identidade histórica profundamente marcada pela tradição islâmica (uma identidade insistentemente negada e apagada no discurso nacionalista espanhol), esses homens e mulheres descobriram que o Islã é parte integrante de suas vidas, perturbando sua identidade europeia, espanhola e andaluz. Nesse seminário, Charles Hirschkind discutiu a memória histórica como um meio de identidade religiosa, ou, mais precisamente, uma interpelação religiosa dirigida a um sujeito fora dos limites dessa religião. Embora seja comum pensar nos legados de al-Andalus como “culturais” e não religiosos, nenhum desses termos modernos faz justiça ao impacto perturbador do passado ibérico sobre aqueles que ouvem seu chamado. Com base na história do andalucismo, é colocada a seguinte pergunta: o que significa para um europeu cristão moderno ser o herdeiro de um passado muçulmano?

Leia Também

Maria Hermínia Tavares de Almeida e Marta Machado, coordenadoras do IPP, o Programa Internacional de Pós-Doutorado do Cebrap, anunciam o início das inscrições para a terceira turma. Saiba mais e inscreva-se na página do IPP. Seguem abaixo uma série de depoimentos de integrantes da primeira turma do IPP.

Ja está disponível on-line o banco de dados Sistema de Saúde Privado e Público, 2008 – CIS0335 São freqüentes as afirmações de que a imagem da baixa qualidade dos serviços públicos de saúde deve-se à experiência da população com o SUS. A pesquisa (…) mostra, no entanto, que as coisas não são exatamente assim. Em […]

Centro que reuniu intelectuais no auge da ditadura fez concessões para existir; já a geração atual é mais acadêmica. Para se constituir justamente no período mais duro da ditadura militar brasileira, imediatamente após a entrada em vigor do Ato Institucional nº 5, que limitou direitos civis e políticos no país, o Cebrap, que agora completa […]