A íntegra do Dia 3 do seminário #Cebrap50anos

16 de maio de 2019 foi o terceiro e último dia do seminário “Democracia à brasileira – Cebrap 50 anos” e os debates trataram de desigualdades, religião e debates políticos do espaço público. Na quinta mesa, por exemplo, Marta Arretche (Cebrap/CEM/USP), Pablo Beramendi (Duke University) e Marcelo Medeiros (IPEA) discutiram, com mediação de Márcia Lima, questões relacionadas à trajetória recente da desigualdade no Brasil e no contexto internacional.

E abaixo, a versão com tradução simultânea em português da apresentação de Pablo Beramendi.

Na sexta mesa, Paula Montero (Cebrap/USP), Ronaldo de Almeida (Cebrap/Unicamp) e Juan Vaggione (Conicet) refletiram sobre a presença política e pública da religião no contexto contemporâneo. Os focos centrais do debate foram a conjuntura político-religiosa atual e as recentes mudanças na articulação entre o secular e o religioso. Mediação de Mauricio Fiore.

Abaixo, a tradução simultânea em português da apresentação de Juan Vaggione.

A sétima e última mesa do seminário comemorativo dos 50 anos do Cebrap reuniu Magali Bessone (Paris I), Marcos Nobre (Cebrap/Unicamp) e Sérgio Costa (Cebrap/Mecila/Universidade Livre de Berlim) pra refletir sobre de qual maneira questões como raça, desigualdade e crise da democracia surgem na discussão pública. Mediação de Marta Machado.

Abaixo, a versão com tradução simultânea em português da apresentação de Magali Bessone.

Veja também a íntegra dos outros dias:

Dia 1 – Abertura/Adam Przeworski

Dia 2 – Instituições políticas/Mobilizações sociais/Desenvolvimento, trabalho e políticas públicas

Leia Também

O Cebrap foi um dos realizadores – numa parceria com o Nexo, o Insper e o Gife – do seminário “Políticas Públicas em debate: o que sabemos, o que queremos”. Durante o dia 4 de setembro, na sede do Insper em São Paulo, dezenas de especialistas de diversas áreas se encontraram para debater seis grandes […]

“Nascida numa era sinistra, instituição legou essa lição à sociedade brasileira” Incomum na comunidade acadêmica brasileira, o hábito de celebrar os próprios feitos, a sua continuidade no tempo ou o próprio desenvolvimento de suas instituições não entusiasma muito a maioria dos cientistas sociais brasileiros (ao contrário, por exemplo, de nossos colegas norte-americanos que não perdem […]