Com apoio do Cebrap, simpósio na Unicamp discute primeiro ano de Bolsonaro no poder

Organizado pelo Centro de Estudos Marxistas (CEMARX) e com apoio do Cebrap, o 2º Simpósio Direitas Brasileiras acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de março no IFCH-Unicamp e tratará, por meio de debates e grupos de trabalho, do primeiro ano de Jair Bolsonaro no poder.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no site do IFCH.

Confira abaixo a programação completa do simpósio:

24/3 – TERÇA-FEIRA

9h30-10h Abertura

10h-12h
Mesa 1: 1º Ano do governo Bolsonaro (Auditório Fausto Castilho)
Marcos Nobre (Unicamp/Cebrap)
Rachel Meneguello (Unicamp/CEOP)
Luís Felipe Miguel (UnB)

13h30-17h30
GT1 – Estado e políticas públicas (local a ser definido)
– “Ataques da direita brasileira contra arranjos institucionais legislativos de
direitos humanos (2011-2015)”, por Otávio Dias de Souza Ferreira (USP)
– “O imaginário conservador na educação: uma análise dos discursos das audiências do Escola sem Partido”, por Michel Oliveira (Unicamp)
– “Os impactos do governo Bolsonaro sobre as instituições participativas”, por Carla de Paiva Bezerra, Maira Rodrigues e Wagner Romão (USP, UFABC e Unicamp)
– “Mulheres de direita no topo”, por Laís Müller Napoleão Braz e Raul Nunes de Oliveira (IESP/UERJ)
– “O Ministério Da Mulher, Família e Direitos Humanos no Plano Plurianual 2020-2023”, por Gabriel Pereira Penna Andrade e Luiz Ismael Pereira (UFV)
– “Bolsonarismo: o projeto de implosão da universidade pública e a praça de guerra
da segurança pública”, por Vera Alves Cepêda, Bruna Mello Diniz, Giulia Di Giovani (UFSCar)

13h30-17h30
GT2 – Intelectuais e ideologias (local a ser definido)
– “Analisando a qualidade da democracia brasileira: a ascensão de Olavo de Carvalho como
um reflexo da desconfiança política e da falta de accountability”, por Mário Jorge de Paiva (PUC-Rio)
– “O Golpe do Golpe: A Ascensão do Revisionismo da Ditadura Militar Brasileira”, por Sergio Schargel Maia de Menezes (UNIRIO/PUC-Rio)
– “O mercado editorial e as direitas contemporâneas no Brasil”, por Leonardo Nóbrega da Silva (IESP/UERJ)
– “Intelectuais de Direita e a Crise do Liberalismo no Brasil”, por Leonardo Seabra Puglia (PUC-Rio)
– “A atuação das think tanks ultraliberais no ensino superior brasileiro: o caso do Institute Mises Brasil”, por Evandro Coggo Cristofoletti (Unicamp)
– “Um olho na missa e outro em Marx: as representações sociais de marxismo cultural no catolicismo bolsonarista de Padre Paulo Ricardo”, por Paulo Victor Zaquieu-Higino (UFJF)

18h-20h
Mesa 2: Direitas, intelectuais e ideologias (Auditório Fausto Castilho)
Jorge Chaloub (IESP/UERJ)
André Kaysel (Unicamp/CEMARX)
Daniela Mussi (USP/CEMARX/Cebrap)

25/3 – QUARTA-FEIRA

10h-12h
Mesa 3: Bases sociais do bolsonarismo (Auditório Fausto Castilho)
Isabela Kalil (FESP)
Sávio Cavalcante (Unicamp/CEMARX)
Samuel Soares (Santiago Dantas/UNESP)

13h30-17h30
GT3 – Conservadorismo: valores e discursos (local a ser definido)
– “Observatório das eleições para presidente da república: Uma Leitura Sobre Perspectivas de Política Criminal”, por Ana Luisa L. de A. Barreto, Bruna Portella de Novaes, Daniel Fonseca Fernandes, Juliana de Athayde, Lucas Vianna Matos, Marcelo Coelho e Vinícius de Assis Romão (UFRJ, PUC, UFBA e UERJ)
– “A Teoria da Curvatura da Vara e as Disputas Sígnicas na Esfera Educacional: Os Discursos dos Movimentos Todos Pela Educação e Escola Sem Partido”, por Fernanda Franz Willers (UFFS)
– “O espaço social de opiniões políticas e morais de estudantes do ensino médio de Juiz de Fora-MG e seus habitus de classe”, por Mariana Cardozo Batista de Oliveira (UFJF)
– “A ‘ideologia de gênero’ e a emergência das direitas no campo da sexualidade: uma análise dos pronunciamentos enunciados no Plenário da Câmara dos Deputados”, por Henrique Araujo Aragusuku (USP)
– “Linguagem Estigmatizada Contribuindo para uma Necessidade Punitivista”, por Alanis Marcela Carvalho Matzembacher (FAE)

13h30-17h30
GT4 – Mídia e redes sociais (local a ser definido)
– “As fake news como intervenção carbonária: apontamentos a partir das eleições de 2018 no Brasil”, por Alexandre Francisco Braga (UFMG)
– “A imagem pública de Jair Bolsonaro nos editoriais do jornal Folha de S. Paulo”, por Ana Luiza Martins de Medeiros e Caio Soares de Oliveira (UFMG)
– “Brasil Paralelo: O Aparelho Privado de Hegemonia a Serviço da Nova Direita”, por Mayara Aparecida Machado Balestro Dos Santos (UNIOESTE)
– “Na guerra, vale tudo: a construção discursiva do bem e do mal no canal Terça Livre”, por Miguel Borges Mendes (UFRJ)
– “Twitter Presidencial: Ideologia, Política e a Sociedade pela Ótica das Postagens do 1º Ano do Governo Jair M. Bolsonaro”, por Victor Dias Grinberg (FAAP)
– “O ‘Bolsonarismo’ On-Line: As Disputas de Sentido em Torno da Construção da Primeira Manifestação de Rua Pró-Governo”, por Priscilla Cabral Dibai (UFBA)
– “A construção do discurso conservador no YouTube: produção, circulação e recepção”, por Francisco W. Kerche (UFRJ)

18h-20h
Mesa 4: Bolsonarismo e internet (Auditório Fausto Castilho)
Celina Lerner (UFABC)
Francisco Brito Cruz (INTERNETLAB)
Marcio Moretto Ribeiro (USP)

26/3 – QUINTA-FEIRA

10h-12h
Mesa 5: Guerras culturais (Auditório Fausto Castilho)
Vinicius Valle (Faculdade Santa Marcelina)
Camila Rocha (Cebrap)
Pablo Ortellado (USP)

13h30-17h30
GT5 – Processos políticos (local a ser definido)
– “A construção da hegemonia conservadora ao longo dos governos petistas”, por Gilberto Grassi Calil (UNIOESTE)
– “Como se incorporaram à uma nação híbrida e herdeira das relações escravistas patriarcais ocupando posições sociais materialmente instáveis e socialmente imprecisas?”, por Pedro de Castro Picelli (Unicamp)
– “‘E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará’: reflexões sobre as mentiras do presidente Jair Bolsonaro e a crise da democracia liberal”, por Geraldo Frances Fonseca Vaz e Camilo Aggio (UFMG)
– “Do fascismo histórico italiano ao fascismo tropical: Ponderações cibercartográficas acerca da emergência das novíssimas direitas brasileiras”, por Pablo Ornelas Rosa (Unicamp)
– “Outsiders políticos nas eleições de 2018 para a Câmara dos Deputados: um estudo de caso”, por Cristina Teixeira Marins (UFF)
– “Construção do ‘mito’: a trajetória de Jair Bolsonaro sob a ótica da Jornada do Herói”, por Matheus Ribeiro Pereira e Mirella de Menezes Migliari (ESPM)

13h30-17h30
GT6 – Ativismo e movimentos sociais (local a ser definido)
– “A ação doutrinária do Movimento Brasil Livre na construção do Golpe de 2016”, por João Elter Borges Miranda (UNIOESTE)
– “Trajetória de ativistas de direita do Ceará”, por Franklin Augusto Soares da Silva (UFC)
– “Observações sobre engajamentos políticos anti-gênero no Brasil”, por Lucas Bulgarelli (USP)
– “A ação política do MBL: das manifestações de junho de 2013 ao impeachment de Dilma”, por Kiane Follmann da Silva (UFFS)
– “Meu partido é o Brasil: A intervenção militar como reivindicação nas ruas do país”, por Veronica Tavares de Freitas (USP)
– “Movimentos da direita contemporânea – dos protestos às eleições”, por Paulo Roberto Spina (USP)
– “A direita nas ruas em 2019: etnografias de protestos na cidade de São Paulo”, por Caio Marcondes Ribeiro Barbosa (USP)

18h-20h
Mesa 6: Ciclos de protestos (2011 a 2019) (Auditório Fausto Castilho)
Luciana Tatagiba (Unicamp/NEPAC)
Angela Alonso (USP/Cebrap)
Andreia Galvão (Unicamp/CEMARX)

Leia Também

No quinto episódio da série #CebrapPesquisa, Vera Schattan Pereira Coelho explica a pesquisa que acompanhou o desenvolvimento dos serviços de atenção básica oferecidos pelo SUS nas periferias do município de São Paulo de 2001 a 2016. O que melhorou? Por quê? O que ainda falta melhorar? Textos relacionados: IDS Bulletin, 2018 – “Reducing health inequalities […]