Impacto social do uso da bicicleta no Rio de Janeiro

Está no ar nova pesquisa feita pelo Cebrap em parceria com o Itaú. Impacto Social do Uso da Bicicleta no Rio de Janeiro foi elaborada a partir de entrevistas domiciliares com indivíduos de 16 anos ou mais e amostragem com dois grupos distintos: população do município do RJ e ciclistas. A pesquisa foi coordenada por Carlos Torres Freire, diretor científico do Cebrap, e sua amostragem permitiu verificar as condições de deslocamento dos cariocas e medir os impactos individuais e sociais do uso da bicicleta no ambiente, na saúde e na economia.

AMBIENTE

– 37% das viagens de ônibus e 51% das de automóvel poderiam ser pedaladas [viagens de até 8km, das 6h às 20h e por pessoas com menos de 50 anos]. Essa troca poderia levar a uma redução de 18% de emissão de CO².
– 3% de viagens com bicicleta já deixam de emitir 1% de CO².
– No deslocamento: sensações de bem estar [prazer, relaxamento e satisfação] aparecem mais entre ciclistas comparados à população não ciclista do Rio de Janeiro, enquanto sensações negativas [estresse, medo de atrasar, desconforto] aparecem menos.

SAÚDE

– Atividade física X Sedentarismo: entre ciclistas dobro de ativos comparado à população não ciclista carioca [82% x 41%].
– Se perfil da população do Rio de Janeiro fosse como dos ciclistas, haveria 8 milhões de economia no SUS com internações por doenças cardíacas e diabetes [19% do total desse gasto].

ECONOMIA

– Troca por bicicleta nas classes C/D representaria uma redução dos gastos com transporte de 18% para 4% da renda pessoal mensal [economia média de R$ 151 mensais – similar pra quem usa mais transporte público].

PIB

– Se 13% das viagens de automóvel fossem trocadas por bicicleta isso poderia gerar um acréscimo de 118 milhões no PIB.
– Se 15% das viagens de ônibus fossem trocadas por bicicleta isso poderia gerar um acréscimo de 325 milhões no PIB.

BAIXE ESTUDO COMPLETO: Impacto Social do Uso da Bicicleta no Rio de Janeiro_ebook

Leia também:

Leia Também

No Dia Internacional da Mulher o CEBRAP homenageia todas as mulheres que lutaram e lutam por uma sociedade mais igualitária na pessoa de sua pesquisadora sênior e sócia-fundadora, a demógrafa Elza Berquó. Elza desenvolveu pesquisas pioneiras sobre demografia, sexualidade, raça e saúde reprodutiva, que tiveram impacto tanto no debate intelectual quanto nas políticas públicas.

Em evento realizado no dia 11 de maio na sede do Cebrap, em São Paulo, o pesquisador canadense Gerry Bloom, do Institute of Development Studies [Universidade de Sussex], falou sobre a importância do compartilhamento de experiências que auxiliem no desenvolvimento de políticas em saúde que resultem na cobertura universal e redução das desigualdades durante o […]

Integrante da École de Hautes Études en Sciences Sociales, o sociólogo Daniel Cefai esteve no Cebrap em 4 de julho apresentando, em português, o seminário “Público, Socialização e Politização: reler John Dewey na companhia de George Herbert Mead”. Cefai também disponibilizou texto que deu origem ao seminário: Cefai – Público Politização Socialização

  O Instituto Merian (Maria Sibylla Merian International Centre in the Humanities and Social Sciences “Conviviality in Unequal Societies: Perspectives from Latin America“) é um consórcio de pesquisa formado por pesquisadores de ciências sociais e humanidades de sete instituições: – Universidade de São Paulo (USP) – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP) – Universidade […]