Inscrições abertas para curso de Etnografias Urbanas promovido pelo CEM e UFSCar

Estão abertas as inscrições para o curso “Etnografias Urbanas: experiência e exercício”, que acontecerá no Cebrap de 17 a 20 de setembro. Promovido pelo Centro de Estudos da Metrópole em parceria com o Núcleo de Pesquisas Urbanas Na Margem da UFSCar, o curso tem como objetivo oferecer aos participantes a oportunidade para que realizem um exercício etnográfico em todas as suas etapas e reflitam sobre cada uma delas. Estão programadas aulas teóricas e atividades práticas de observação etnográfica, registro em diário de campo, organização do material produzido e escrita de um texto etnográfico preliminar.

O curso terá 40 vagas, é gratuito, está aberto ao público em geral e será conduzido pelos professores Luana Motta e Gregório Zambon. Inscrições AQUI.

Sobre os docentes:

Luana Motta – professora do departamento de sociologia da UFSCar, coordenadora do NaMargem e pesquisadora do CEM. Tem se dedicado à compreensão do conflito urbano brasileiro a partir de pesquisas sobre as práticas e presenças estatais em territórios de pobreza, notadamente aquelas voltadas para segurança, violência e juventude.

Gregório Zambon – doutorando em Ciências Sociais na Unicamp, é bacharel e licenciado em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB) e mestre em Sociologia pela UFSCar. Também é pesquisador do CEM e membro do NaMargem. Vem desenvolvendo pesquisas na periferia de São Paulo, com foco em questões como dinheiro e valor, legalismos e ilegalismos, regulação de mercados e produção e reprodução de desigualdades.

Curso “Etnografias Urbanas: experiência e exercício”
Responsáveis: Luana Motta e Gregório Zambon (CEM, NaMargem/UFSCar, Unicamp)
Data: 17 a 20 de setembro de 2019
Horário das aulas teóricas: 14h às 18h

Ementa

O curso tem como objetivo exercitar e discutir sobre a etnografia como modo de conhecer e pesquisar a realidade social, não apenas como metodologia de pesquisa. Tal esforço será desenvolvido a partir da combinação entre leituras e discussão de textos teóricos e exercícios práticos de observação etnográfica, registro em diário de campo, organização do material produzido e escrita de um texto etnográfico preliminar. O intuito é que o curso ofereça a oportunidade para que os participantes realizem um exercício etnográfico em todas as suas etapas e reflitam sobre cada uma delas.

Organização do curso e cronograma

O curso contará com aulas presenciais, teóricas e de produção e discussão do material produzido pelos participantes. Importante remarcar que os participantes deverão considerar o tempo de registro da observação e da produção do texto etnográfico, a serem produzidos antes das aulas 3 e 4. Tanto a bibliografia obrigatória, quanto a complementar, estarão disponíveis digitalmente.

AULA 1 – 17/09 – O que é etnografia e como tomar notas

(Aula presencial de discussão dos textos – 14h-18h)

CEFAI, Daniel. ¿Qué es la etnografía? Debates contemporáneos Arraigamientos, operaciones y experiencias del trabajo de campo – Primera parte. Persona y sociedad, XXVII, 1, pp. 101-119, 2013.

FELTRAN, Gabriel. Diário intensivo: a questão do ‘adolescente em conflito com a lei’, em contexto. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade. São Paulo, UNIBAN, v. 1, p. 01-44, 2011.

AULA 2 – 18/09 – Exercício de observação e registro

(Trabalho de campo ao longo do dia e registro em diário de campo)

AULA 3 – 19/08 – O trabalho analítico de organizar e classificar as notas

(Aula presencial para trabalhar o material produzido pelos alunos – 14h-18h)

AULA 4 – 20/09 – A escrita e construção do texto etnográfico

(Aula presencial de discussões de textos teóricos e textos produzidos pelos alunos – 14h-18h)

FOOTE-WHITE, William. “Sobre a evolução de Sociedade de Esquina – Anexo A”, in Sociedade de Esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 283-363, 2005.

MACHADO, Carly. ‘É muita mistura’: projetos religiosos, políticos, sociais, midiáticos, de saúde e segurança pública nas periferias do Rio de Janeiro. Religião e Sociedade, v. 33, p. 13-36, 2013.

Bibliografia

CEFAI, Daniel. ¿Qué es la etnografía? Debates contemporáneos Arraigamientos, operaciones y experiencias del trabajo de campo – Primera parte. Persona y sociedad, XXVII, 1, pp. 101-119, 2013.

FOOTE-WHITE, William. “Sobre a evolução de Sociedade de Esquina – Anexo A”, in Sociedade de Esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 283-363, 2005.

LAPLANTINE, François, 2002. A descrição etnográfica. São Paulo: Terceira Margem. (trechos selecionados).

FELTRAN, Gabriel. A categoria como intervalo – a diferença entre essência e desconstrução. Cadernos Pagu [online]. 2017, n.51, e175105. Epub Jan 08, 2018.

FELTRAN, Gabriel. Diário intensivo: a questão do ‘adolescente em conflito com a lei’, em contexto. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade. São Paulo, UNIBAN, v. 1, p. 01-44, 2011.

GEERTZ, Clifford. “Descrição densa: por uma teoria interpretativa das culturas”, in A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, p. 13-41, 1978.

MACHADO, Carly. ‘É muita mistura’: projetos religiosos, políticos, sociais, midiáticos, de saúde e segurança pública nas periferias do Rio de Janeiro. Religião e Sociedade, v. 33, p. 13-36, 2013.

PEIRANO, Mariza. “Etnografia, ou a teoria vivida”. PontoUrbe, ano 2, versão 2.0, fevereiro de 2008.

DA MATTA, Roberto. “O ofício do etnólogo, ou como ter “anthropological blues”, in E. O. NUNES (org.) A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, p. 23-35, 1978.

VELHO, Gilberto. “Observando o familiar”, in E. O. Nunes (org.) A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, p. 36-46, 1978.

 

Leia Também

Estão abertas as inscrições para o workshop internacional ‘Trabalho, Cuidado e Políticas Públicas: Um Olhar Sobre a América Latina’ que acontecerá de 15 a 17 de outubro de 2018, na USP, em São Paulo. Uma das responsáveis pelo evento é Nadya Guimarães, socióloga, professora da USP e pesquisadora do Cebrap. INSCRIÇÕES AQUI. Segue abaixo a programação […]

Nesta terça-feira, 26/9, foi lançado na sede da Open Society Foundations, no Rio de Janeiro, a revista Platô: Drogas e Políticas. Criada pela Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD) em parceria com o CEBRAP, a publicação é a primeira no Brasil a tratar sobre o tema de políticas de drogas. A Platô foi pensada para preencher um vácuo […]

“Hegel é o primeiro filósofo a fazer de seu tempo o objeto da filosofia”, afirmou o professor da Unicamp e pesquisador do Cebrap, Marcos Nobre, durante o seminário ‘Como nasce o novo? Hegel e a Teoria Crítica’. Durante a apresentação e o debate, Nobre também tratou de seu mais recente livro, ‘Como nasce o novo‘ […]

A ampliação da oferta de serviços públicos por meio do chamado governo eletrônico significa menos burocracia, menos desperdício de tempo e um ganho inestimável no exercício da cidadania. No Estado de São Paulo, avanços nesse campo são evidentes nos últimos anos, como mostra a pesquisa realizada para esta edição do Políticas Públicas em Foco. Constatou-se […]