Inscrições abertas para curso de Etnografias Urbanas promovido pelo CEM e UFSCar

Estão abertas as inscrições para o curso “Etnografias Urbanas: experiência e exercício”, que acontecerá no Cebrap de 17 a 20 de setembro. Promovido pelo Centro de Estudos da Metrópole em parceria com o Núcleo de Pesquisas Urbanas Na Margem da UFSCar, o curso tem como objetivo oferecer aos participantes a oportunidade para que realizem um exercício etnográfico em todas as suas etapas e reflitam sobre cada uma delas. Estão programadas aulas teóricas e atividades práticas de observação etnográfica, registro em diário de campo, organização do material produzido e escrita de um texto etnográfico preliminar.

O curso terá 40 vagas, é gratuito, está aberto ao público em geral e será conduzido pelos professores Luana Motta e Gregório Zambon. Inscrições AQUI.

Sobre os docentes:

Luana Motta – professora do departamento de sociologia da UFSCar, coordenadora do NaMargem e pesquisadora do CEM. Tem se dedicado à compreensão do conflito urbano brasileiro a partir de pesquisas sobre as práticas e presenças estatais em territórios de pobreza, notadamente aquelas voltadas para segurança, violência e juventude.

Gregório Zambon – doutorando em Ciências Sociais na Unicamp, é bacharel e licenciado em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB) e mestre em Sociologia pela UFSCar. Também é pesquisador do CEM e membro do NaMargem. Vem desenvolvendo pesquisas na periferia de São Paulo, com foco em questões como dinheiro e valor, legalismos e ilegalismos, regulação de mercados e produção e reprodução de desigualdades.

Curso “Etnografias Urbanas: experiência e exercício”
Responsáveis: Luana Motta e Gregório Zambon (CEM, NaMargem/UFSCar, Unicamp)
Data: 17 a 20 de setembro de 2019
Horário das aulas teóricas: 14h às 18h

Ementa

O curso tem como objetivo exercitar e discutir sobre a etnografia como modo de conhecer e pesquisar a realidade social, não apenas como metodologia de pesquisa. Tal esforço será desenvolvido a partir da combinação entre leituras e discussão de textos teóricos e exercícios práticos de observação etnográfica, registro em diário de campo, organização do material produzido e escrita de um texto etnográfico preliminar. O intuito é que o curso ofereça a oportunidade para que os participantes realizem um exercício etnográfico em todas as suas etapas e reflitam sobre cada uma delas.

Organização do curso e cronograma

O curso contará com aulas presenciais, teóricas e de produção e discussão do material produzido pelos participantes. Importante remarcar que os participantes deverão considerar o tempo de registro da observação e da produção do texto etnográfico, a serem produzidos antes das aulas 3 e 4. Tanto a bibliografia obrigatória, quanto a complementar, estarão disponíveis digitalmente.

AULA 1 – 17/09 – O que é etnografia e como tomar notas

(Aula presencial de discussão dos textos – 14h-18h)

CEFAI, Daniel. ¿Qué es la etnografía? Debates contemporáneos Arraigamientos, operaciones y experiencias del trabajo de campo – Primera parte. Persona y sociedad, XXVII, 1, pp. 101-119, 2013.

FELTRAN, Gabriel. Diário intensivo: a questão do ‘adolescente em conflito com a lei’, em contexto. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade. São Paulo, UNIBAN, v. 1, p. 01-44, 2011.

AULA 2 – 18/09 – Exercício de observação e registro

(Trabalho de campo ao longo do dia e registro em diário de campo)

AULA 3 – 19/08 – O trabalho analítico de organizar e classificar as notas

(Aula presencial para trabalhar o material produzido pelos alunos – 14h-18h)

AULA 4 – 20/09 – A escrita e construção do texto etnográfico

(Aula presencial de discussões de textos teóricos e textos produzidos pelos alunos – 14h-18h)

FOOTE-WHITE, William. “Sobre a evolução de Sociedade de Esquina – Anexo A”, in Sociedade de Esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 283-363, 2005.

MACHADO, Carly. ‘É muita mistura’: projetos religiosos, políticos, sociais, midiáticos, de saúde e segurança pública nas periferias do Rio de Janeiro. Religião e Sociedade, v. 33, p. 13-36, 2013.

Bibliografia

CEFAI, Daniel. ¿Qué es la etnografía? Debates contemporáneos Arraigamientos, operaciones y experiencias del trabajo de campo – Primera parte. Persona y sociedad, XXVII, 1, pp. 101-119, 2013.

FOOTE-WHITE, William. “Sobre a evolução de Sociedade de Esquina – Anexo A”, in Sociedade de Esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 283-363, 2005.

LAPLANTINE, François, 2002. A descrição etnográfica. São Paulo: Terceira Margem. (trechos selecionados).

FELTRAN, Gabriel. A categoria como intervalo – a diferença entre essência e desconstrução. Cadernos Pagu [online]. 2017, n.51, e175105. Epub Jan 08, 2018.

FELTRAN, Gabriel. Diário intensivo: a questão do ‘adolescente em conflito com a lei’, em contexto. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade. São Paulo, UNIBAN, v. 1, p. 01-44, 2011.

GEERTZ, Clifford. “Descrição densa: por uma teoria interpretativa das culturas”, in A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, p. 13-41, 1978.

MACHADO, Carly. ‘É muita mistura’: projetos religiosos, políticos, sociais, midiáticos, de saúde e segurança pública nas periferias do Rio de Janeiro. Religião e Sociedade, v. 33, p. 13-36, 2013.

PEIRANO, Mariza. “Etnografia, ou a teoria vivida”. PontoUrbe, ano 2, versão 2.0, fevereiro de 2008.

DA MATTA, Roberto. “O ofício do etnólogo, ou como ter “anthropological blues”, in E. O. NUNES (org.) A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, p. 23-35, 1978.

VELHO, Gilberto. “Observando o familiar”, in E. O. Nunes (org.) A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, p. 36-46, 1978.

 

Leia Também

A quarta mesa das Jornadas Sesc Cebrap: Pesquisa e Futuro, mais um evento comemorativo da série #Cebrap50anos, aconteceu na quinta, 12 de agosto. Com mediação do cientista político Rúrion Melo, o debate tratou de “Raça, gênero, sexualidade e reprodução” e trouxe a socióloga e professora da FFLCH-USP Márcia Lima e a antropóloga Sandra Garcia, ambas […]

Em 8 de junho, o Cebrap recebeu um seminário especial em homenagem ao saudoso Paul Singer (1932-2018). Em meio a lembranças e análises, Maria Hermínia Tavares e Frederico Mazzucchelli falaram sobre um dos livros mais importantes da carreira do economista, o clássico “São Paulo 1975: Crescimento e Pobreza”. “A percepção pós-golpe de 1964, vinda de […]

Nesta terça, 26 de fevereiro, o Cebrap e o Instituto Ethos promovem o seminário ‘Infraestrutura e Desenvolvimento: Política e a Gestão’. O evento, aberto ao público, acontece das 10h às 17h na sede do Cebrap [Rua Morgado de Mateus, 615, Vila Mariana – São Paulo]. Segue abaixo sinopse dos objetivos do encontro e a programação […]

Centro que reuniu intelectuais no auge da ditadura fez concessões para existir; já a geração atual é mais acadêmica. Para se constituir justamente no período mais duro da ditadura militar brasileira, imediatamente após a entrada em vigor do Ato Institucional nº 5, que limitou direitos civis e políticos no país, o Cebrap, que agora completa […]