Boletim nº9 – segundo semestre de 2019

A IMPRENSA E A POLÍTICA EXTERNA NO GOVERNO BOLSONARO

A proporção de formadores de opinião que apoiou publicamente a política externa do governo Jair Bolsonaro, no segundo semestre de 2019 foi próxima dos 15%. O percentual dos que o fizeram variou segundo os diferentes veículos.

Nosso termômetro CEBRAP indica:

%

de artigos favoráveis
à Política Externa*
*Frequência média de todos os veículos

%

de artigos favoráveis
à Política Externa**
** Frequência média de todos os veículos, retirando o Gazeta do Povo

Confira abaixo a posição frente à política externa de articulistas e editorialistas de diferentes jornais:

  • Favoráveis 3% 3%
  • Neutros 14% 14%
  • Contrários 83% 83%

por Fernando Favalle

Confira a análise do veículo do jornal O Globo

O Globo obteve um aumento expressivo na quantidade de publicações sobre política externa e foi o jornal com maior número de artigos analisados no 2º semestre de 2019 (de 90 para 184) e permanece como o mais crítico à política externa, com mais de 80% de artigos desfavoráveis.

Os assuntos mais tratados foram a diplomacia presidencial (45), questões ambientais (27), a indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada em Washington (24) e o discurso de Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU (18).

As críticas se concentraram na diplomacia presidencial (128), nas relações com os países da região (27) – destacadamente a Argentina – e com a China (23) e na atuação do ministro das Relações Exteriores (19). Sublinha-se a condução do governo de dois episódios relacionados à questão ambiental: as queimadas na Amazônia e ao derramamento de petróleo na costa brasileira.
Todos os artigos favoráveis foram de colunistas, tratando de assuntos diversos.

Por fim, é possível dizer que neste semestre tratou-se mais de eventos específicos da política externa, em detrimento de temas tradicionais, ainda que o jornal mantenha a posição universalista, globalista e multilateralista para maior inserção internacional do Brasil.

  • Favoráveis 18% 18%
  • Neutros 14% 14%
  • Contrários 68% 68%

por Fernando Favalle

Confira a análise do veículo do jornal Estadão

A política externa brasileira foi tema recorrente no jornal O Estado de S. Paulo, contando com um aumento de 20 artigos em relação ao semestre passado (de 125 para 145 artigos e editoriais). Mais de dois terços dos artigos e editoriais foram contrários à política externa de Bolsonaro, e apenas 20 se posicionaram como neutros, registrando, também, aumento.
Os assuntos mais discutidos foram questões ambientais e climáticas (21), a diplomacia presidencial (20), a indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixador nos EUA (17) e o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia (11).

As críticas concentraram-se, outra vez, na Diplomacia Presidencial (90), tida como inadequada e marcada pela inaptidão em episódios diversos, como o discurso na Assembleia Geral da ONU. Também foram criticadas as relações com EUA (24) e China (19) frente a indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada estadunidense e o alinhamento automático brasileiro aos EUA em contraponto às relações com a China. Falou-se muito sobre questões ambientais e climáticas (30), criticando as políticas adotadas para as crises da Amazônia e do vazamento de petróleo na costa brasileira.

Do total de artigos e editoriais, apenas 26 foram favoráveis à política externa atual e cuja maioria discute o acordo entre o Mercosul e a União Europeia, fechado no último semestre após anos de negociação. Outros temas como comércio exterior, relações bilaterais, reformas do sistema internacional e questões ideológicas foram mencionados, mas sem grande destaque.
Em resumo, O Estado de S. Paulo, ainda que favorável frente aos temas tradicionais da política externa como globalismo, universalismo e multilateralismo, focou em eventos e atores específicos, como o presidente, temas ambientais e a indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada em Washington.

  • Favoráveis 36% 36%
  • Neutros 20% 20%
  • Contrários 44% 44%

por Caique Terrenzzo

Confira a análise do veículo do valor econômico

No segundo semestre de 2019, o jornal Valor Econômico publicou 25 artigos e editoriais relacionados à política externa. A maior parte criticou o governo (11), embora 9 artigos tenham se posicionado em favor das políticas adotadas.

O assunto mais discutido (6 artigos) foi o Acordo Comercial entre Mercosul e União Europeia. A metade dos editorialistas defenderam que a iniciativa representa marco de integração entre os dois blocos, cujos ganhos no setor do agronegócio se mostram inovadores. Os que criticam o acordo apontam para diferenças estruturais entre os dois blocos, cujas consequências à longo prazo solaparão o crescimento econômico brasileiro.

Em segundo lugar (4 artigos), tratou-se sobre o projeto de liberalização cambial. Dois artigos se colocaram a favor da medida, argumentando que essa reforma proporcionaria ao Brasil maior inserção na economia mundial. O artigo que criticou o projeto não questionou sua importância, mas defendeu a inviabilidade de implementá-lo atualmente, momento em que o Brasil não se encontraria estabilizado suficientemente para aguentar seus impactos negativos.

Por fim e empatados (3 artigos cada), discutiu-se a inserção internacional do Brasil e sua postura frente a questão ambiental.

Sobre a inserção internacional, dois artigos discutiram a importância do agronegócio brasileiro. O que se posicionou a favor do governo destacou a relevância do setor na economia global, cujo crescimento depende do aprofundamento das relações do Brasil com Ásia e África. O que se posicionou contrário reiterou a importância da Ásia para expansão da participação brasileira na economia internacional, mas argumentou pela incorporação de normas para padronização das atividades do agronegócio nos acordos dos quais o Brasil faz parte ou pleiteia participar.

A questão ambiental, por outro lado, foi criticada em todos artigos. Dois fizeram referência às queimadas na Amazônia, discordando da postura assumida pelo presidente, que descartou os recursos do Fundo Amazônico e colocou em risco o firmamento do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. O outro tratou sobre o derramamento de óleo no litoral nordestino, criticando a ausência brasileira em convenções que versam sobre a temática, cuja implicação imediata teria sido a absorção de compensações internacionais.

Em resumo, o jornal Valor Econômico mais uma vez abordou majoritariamente temas de comércio e inserção internacional do Brasil nos seus artigos e editoriais sobre política externa. Das temáticas gerais, manteve-se em favor do globalismo, do multilateralismo e empatou na defesa do universalismo e regionalismo.

  • Favoráveis 10% 10%
  • Neutros 11% 11%
  • Contrários 79% 79%

por Caique Terenzzo

Confira a análise do veículo do jornal Folha de S. Paulo

No segundo semestre de 2019, o jornal Folha de S. Paulo publicou 111 artigos e editoriais relacionados à política externa, sendo a maior parte contrário ao governo (88 artigos). Os demais assumiram postura neutra (11) ou favorável (12).

Dos assuntos que mais repercutiram, a crise ambiental do final de agosto suscitou a maior parte dos artigos contrários (30 artigos). De um lado, criticou-se a postura do presidente diante as respostas requeridas pelos atores internacionais (11 dos 30 artigos). De outro, questionou-se quanto e como a resposta aos incêndios na Amazônia ameaçavam o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia.

Em segundo lugar, discutiu-se a promoção de Eduardo Bolsonaro ao posto de Embaixador nos Estados Unidos. Dos 12 artigos, apenas dois se colocaram de maneira neutra, enquanto o resto criticou a pauta. As razões das críticas são diversas, compreendendo desde a falta de experiência e passagem de Eduardo pela carreira diplomática até acusações de nepotismo.

Empatado com o anterior (12 artigos), reprovou-se em totalidade a participação do presidente na Assembleia das Nações Unidas. A maioria dos colunistas e editorialistas debateu o discurso de abertura, defendendo que a postura adotada pelo presidente não coadunava com a tradição brasileira de defender o multilateralismo, podendo colocar o país em uma situação de desvantagem e isolamento internacional. Outro ponto amplamente criticado foi sua manifestação sobre a questão ambiental, contrária à imagem do Brasil como potência ambiental.

Por último, se destacou a relação com a Argentina (5 artigos). Reprovou-se a postura ideológica assumida pelo presidente Bolsonaro frente à eleição de Fernández, no prognóstico de que a Argentina é importante parceiro comercial do Brasil e nação ímpar para existência do Mercosul. Desse modo, não deveria, em nenhuma instância, ser isolada.

Em suma, o jornal Folha de S. Paulo manteve sua postura editorial pluralista, apesar de ter aumentado a quantidade de artigos contrários ao governo. Das temáticas gerais, mostrou-se majoritariamente favorável à políticas e posturas que enfatizassem o globalismo, multilateralismo e universalismo.

  • Favoráveis 45% 45%
  • Neutros 0% 0%
  • Contrários 55% 55%

por Cicley Dias do Sacramento

Confira a análise do veículo do jornal Gazeta do Povo

No jornal Gazeta do Povo, destacam-se 47 artigos e editoriais publicados. Sem registros neutros, 26 das publicações são contra a política externa de Bolsonaro, enquanto 21 são a favor. Destacam-se assuntos como a sugestão do nome do deputado federal Eduardo Bolsonaro para ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos da América (com 10 artigos), o discurso do presidente na Organização das Nações Unidas (ONU) (7), relações com países como a China (5), os Estados Unidos (5), a Argentina (4), além da diplomacia presidencial (4).

O jornal Gazeta do povo e seus colaboradores foram contrários à ideia de se ter Eduardo Bolsonaro embaixador em Washington. Na maioria dos argumentos, aliás, para todas as publicações levantadas sobre esse assunto, o filho do presidente na época não preenchia condições necessárias para liderar a representação diplomática do Brasil em uma de suas principais embaixadas, o que levou a críticas ao presidente pela ideia de propor o filho “03”. Esse assunto justificou quase metade das críticas registradas à política externa do governo – em números mais reduzidos, outras pautas que também receberam apenas críticas dizem respeito a questões ambientais (2 artigos), e relações com o nosso bloco regional, o Mercosul (2), com a França (1) e com o Paraguai (1).

Por outro lado, já em outro dos assuntos mais comentados, a Gazeta do Povo e seus colaboradores assumiram uma posição mais favorável ao discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura dos debates gerais da 74ª Assembleia Geral da ONU. Cinco dos artigos sobre o tema elogiaram a abordagem do presidente em Nova York, enquanto apenas dois foram críticos. Da mesma forma, o acordo Mercosul-União Europeia (1 artigo) e as relações com a China (5), Cuba (1) e Chile (1) atraíram análises favoráveis. No caso da China, em cinco artigos que trataram do assunto apenas um não é favorável às relações e não apoia o governo nesse sentido, já os restantes são tanto favoráveis ​​às ações do presidente (diplomacia presidencial) como apoiam a política do governo com o país asiático.

Em relação ao comércio internacional, dois artigos foram críticos e um favorável – a posição favorável refere-se ao acordo alcançado entre o Mercosul e a Associação Europeia de Comércio Livre (Efta), enquanto as posições mais críticas, uma focada no déficit público dos EUA e a outra sobre relações com a Rússia e com a China, recomendaram ao Brasil repensar suas políticas comerciais com esses três países.

Em suma, nota-se que, apesar dos registros de 25 textos críticos da política externa de Bolsonaro contra 19 a favor, exceto por questões discrepantes envolvendo Eduardo Bolsonaro como embaixador nos EUA, em que de fato registrou-se enorme desaprovação, a Gazeta do Povo e sua equipe, no geral, aprovam o estilo atual da diplomacia presidencial brasileira, mostrando-se igualmente mais favoráveis e menos críticos a política externa do governo, e também defendem a participação do Brasil nas negociações comerciais bilaterais.

Resumo dos assuntos tratados nos artigos

Assuntos tratados

Temas

Número Absoluto

Frequência Relativa

Diplomacia Presidencial 102 20%
Questão ambiental 89 17,4%
Eduardo embaixador 62 12,1%
Bolsonaro na ONU 39 7,6%
Relações Brasil-EUA 31 6,1%
MERCOSUL-UE 28 5,5%
COMEX 18 3,5%
Relações Argentina 17 3,3%
Relações China 17 3,3%
Política Externa 14 2,7%
Relações Paraguai 9 1,8%
Mercosul 9 1,8%
Ideologia 8 1,6%
BRICS 6 1,2%
OCDE 5 1%
Eleições Argentina 5 1%
Ministro das relações exteriores 5 1%
Inserção internacional 5 1%
Reformas 5 1%
Política Comercial 5 1%
Outros* 32 6,3%
Total (artigos) 511 100%

* Assuntos com apenas menos de cinco artigos publicados: 5G, Desarmamento nuclear, Itamaraty, Liberalização cambial, Liberalização comercial, Multilateralismo, OTAN, Reformas Nacionais, Regionalismo, Relações Brasil-África, Relações Brasil-Chile, Relações Brasil-Coreia do Sul, Relações Brasil-Cuba, Relações Brasil-França, Relações Brasil-Irã, Relações Brasil-Israel, Relações Brasil-Japão, Relações Brasil-Uruguai e Relações Brasil-Venezuela.

 

A IMPRENSA E AS PRIORIDADES DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA

❏ EUA        ❏China        ❏Mercosul

  • Nenhum 81% 81%
  • 89% 89%
  • 76% 76%
  • Favorável 4% 4%
  • 5% 5%
  • 15% 15%
  • Contrário 9% 9%
  • 5% 5%
  • 4% 4%
  • Neutro 5% 5%
  • 2% 2%
  • 4% 4%

A maioria dos artigos não trata de temas considerados prioritários para a política externa do país*. De modo geral, os jornais assumiram postura mais favorável à atuação brasileira em relação aos Estados Unidos, e foi mais crítica quando se tratou da relação com o Mercosul.  

*Neste semestre, metade dos artigos se concentraram em três assuntos: à postura do presidente na condução da política externa, a questão ambiental ilustrada pelas queimadas na Amazônia e a indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada em Washington.

Orientações Gerais da Política Externa – Preferências da Imprensa

Os artigos de opinião, editoriais e entrevistas de especialistas, muito críticos com relação à condução política exterior, parecem concordar com, os princípios e valores que orientaram a política exterior do país até a posse do governo Bolsonaro. A abertura para o exterior, que chamamos de globalismo; a busca da diversificação das relações com países situados em diversas partes do mundo, que denominamos universalismo; a opção pelo multilateralismo, a presença ativa na região, e especial a participação no MERCOSUL; e relações mais próximas com os Estados Unidos e China. São  todas opções de longo curso da política externa, que contam com apoio significativo entre os principais órgãos de imprensa e seus colaboradores.

Nacionalismo x Globalismo

  • Nacionalismo 3.5% 3.5%
  • Globalismo 22.4% 22.4%

A maioria dos artigos e editoriais publicados pelos órgãos de imprensa que acompanhamos assumem orientação globalista, com pouco mais de 20% dos artigos favoráveis ao globalismo e/ou críticos ao nacionalismo.

Unilateralismo x Multilateralismo

  • Unilateralismo 0.4% 0.4%
  • Multilateralismo 19.1% 19.1%

A maioria dos artigos e editoriais publicados pelos órgãos de imprensa que acompanhamos assumem postura favorável ao multilateralismo nas relações internacionais do Brasil.

Universalismo e Regionalismo

  • Contrário 0.4% 0.4%
  • 2.2% 2.2%
  • Favorável 1.8% 1.8%
  • 8.9% 8.9%
  • Neutro 0.2% 0.2%
  • 0.4% 0.4%

❏ Universalismo      ❏ Regionalismo

A maioria dos artigos e editoriais publicados pelos órgãos de imprensa que acompanhamos são favoráveis ao universalismo e regionalismo na condução da política externa brasileira.

Relações Norte-Sul e Sul-Sul

Relação Norte-Sul

  • Contrário 3% 3%
  • Favorável 9% 9%

A maioria dos artigos e editoriais publicados pelos órgãos de imprensa que acompanhamos assumem postura favorável a relações Norte-Sul.

Relação Sul-Sul

  • Contrário 2% 2%
  • Favorável 4% 4%

A maioria dos artigos e editoriais publicados pelos órgãos de imprensa que acompanhamos assumem postura favorável a relações Sul-Sul.

Sobre o projeto

Hoje, a imprensa escrita é, a um só tempo, arena e protagonista de um debate informado sobre a política exterior do país. Por esta razão, o CEBRAP decidiu acompanhar o que pensam e dizem sobre o tema os principais órgãos da imprensa escrita, como protagonistas, em seus editoriais, e como meio, nos artigos assinados por seus colaboradores permanentes e eventuais.

Leia Também

O Projeto Afro Memória é uma iniciativa que se propõe a recuperar, preservar e disseminar a memória negra através da captação, organização, catalogação e digitalização de acervos do ativismo negro contemporâneo. Já foram realizadas três lives nas redes sociais do Cebrap sobre o projeto. O Projeto Afro Memória é uma parceria Afro Cebrap, Arquivo Edgard […]

4 de novembro de 2019, uma segunda-feira quente, foi o dia do lançamento do décimo quinto núcleo de pesquisa do Cebrap. Coordenado por Márcia Lima, o AFRO – Núcleo de Pesquisa e Formação em Raça, Gênero e Justiça Racial nasce com objetivos ousados e urgentes. “O Afro é um núcleo de pesquisa, formação e difusão […]

Durante a Reunião Magna da Academia Brasileira de Ciências, realizada na última semana, a pesquisadora do Cebrap Nadya Araujo Guimarães foi empossada como membro titular da entidade. Os membros titulares da Academia Brasileira de Ciências são cientistas radicados no Brasil há mais de dez anos, com destacada atuação científica. Confira abaixo a lista completa dos […]