Com a palavra, Marcos Nobre, o novo presidente do Cebrap

O filósofo e professor da Unicamp Marcos Nobre é o décimo presidente do Cebrap. Frequentador da casa desde 1990 e co-fundador do Núcleo Direito e Democracia em 1999, Nobre começou sua gestão em 1º de junho e segue no cargo até maio de 2021 [com a possibilidade de renovação de mandato por mais dois anos, isto é, até 2023]. Na entrevista abaixo, o professor relembra seu início no Cebrap e reflete sobre os desafios de presidir uma instituição cinquentenária de pesquisa em ciências humanas.

Como você chegou ao Cebrap? O que fazia na época?
Em março de 1990, José Arthur Giannotti criou o grupo Lógica e Ontologia. Para compor o grupo, convidou seus próprios orientandos e orientandos de dois de seus ex-alunos, Luiz Henrique Lopes dos Santos e Ricardo Terra. Foi como orientando de mestrado de Ricardo Terra que me integrei ao grupo, que manteve seminários semanais até o ano 2000. Em maio deste mesmo ano fui contratado como professor de filosofia na Unicamp.

De lá pra cá em quais pesquisas participou e quais coordenou?
Em fevereiro de 1996, Giannotti me convidou para desenhar e coordenar uma pesquisa sobre meio ambiente. Tinha acabado de retornar de um estágio de pesquisa em Berlim, profundamente marcado pela questão ambiental – assim como pela questão do direito. Também durante esse estágio em Berlim conheci o sociólogo Sérgio Costa, que tinha acabado de defender seu doutorado e que tinha se tornado professor na UFSC. Convidei Sérgio Costa para dividir comigo a concepção e a coordenação da pesquisa, que passou a ter, assim, duas frentes. Ao final dessa pesquisa, fundei, com Ricardo Terra, em 1999, o Núcleo Direito e Democracia. Tivemos nosso primeiro Projeto Temático Fapesp aprovado no ano 2000, do qual fui pesquisador principal, com a responsabilidade de coordenar uma das suas duas linhas de pesquisa. Depois disso, fui coordenador de outros três Projetos Temáticos Fapesp.

Qual o papel do Cebrap na sua formação?
Faço parte de uma geração que experimentou a transição para uma universidade de especialidades e de especializações. Foi um processo que coincidiu com o declínio do modelo nacional-desenvolvimentista, em que a especialização fazia parte de um projeto de construção de país e, por isso mesmo, acontecia em ambiente interdisciplinar. Sem esse lastro e sem um substituto para ele, as especializações disciplinares se tornaram fins em si mesmos. O Cebrap me permitiu escapar o quanto possível dessa especialização predatória. Deu as condições para que eu pudesse desenvolver meu trabalho em ambiente efetivamente interdisciplinar, que é um requisito vital para quem, como eu, se filia à vertente intelectual da Teoria Crítica.

Marcos Nobre durante o seminário “Democracia à brasileira – Cebrap 50 anos” em maio deste ano

Como surgiu o convite para presidir o Cebrap e o que te levou a aceitá-lo?
São muitos anos de casa. Acho que o convite foi o resultado de uma convivência pessoal e acadêmica prazerosa e frutífera. A razão para aceitar, para além do desafio de dirigir um centro de pesquisa com a densidade histórica e teórica da envergadura do Cebrap: o momento vivido pelo país exige que ocupemos todos os espaços institucionais que pudermos para defender a democracia.

Quais os desafios de presidir uma instituição como o Cebrap?
O primeiro desafio é mantê-lo aberto. O momento não é favorável a um centro de pesquisa crítico que depende da captação de recursos de pesquisa para sobreviver. O segundo desafio é seguir a tradição da casa de inovar nos temas e nos métodos, de olho na produção dos mais complexos diagnósticos de tempo que pudermos produzir. O que inclui um radical movimento de autorreflexão: perguntarmo-nos, afinal, por que demoramos tanto para ver os movimentos tectônicos que estavam acontecendo na sociedade brasileira e global que vieram à tona nos últimos anos. Inovar exige também pensar os pontos cegos do próprio pensamento e da própria pesquisa.

O que esperar do Cebrap nos próximos anos?
Engajamento de corpo e alma na pesquisa de ponta e na defesa da institucionalidade democrática.

Leia Também

Saiba mais sobre o último livro lançado por Ernesto Isunza Vera e Adrián Gurza Lavalle. Para el futuro de la democracia en el mundo, la proliferación de experiencias de innovación democrática es el fenómeno más sorprendente desde que los ciclos de las transiciones latinoamericanas y comunistas concluyeron sus fases más dramáticas, para desembocar en la […]

Nós, pesquisadores e professores do AFRO/Cebrap, vimos com espanto e indignação a nomeação de Sérgio Camargo para o cargo de presidente da Fundação Palmares. Como divulgado nos meios de comunicação nacionais, Sérgio Camargo não apresenta competência técnica nem conhecimento teórico e histórico do próprio órgão para o qual foi designado representante maior, tampouco representa os […]