Webinário “Diálogos sobre finanças verdes” acontece nos dias 22 e 23/2

Tornar as finanças verdes – isto é, atribuir a ativos, operações, atividades e investimentos financeiros a expectativa de que promovam benefícios ambientais – é uma das principais apostas de governos, empresas e organismos multilaterais para financiar a transição a uma economia sustentável.

A promessa de contribuição do universo financeiro à transição verde não é nada trivial, já que envolve desafios tais como definir os papeis dos setores público e privado no financiamento da transição e estabelecer quais atividades devem ser entendidas como “verdes” – questões que se abrem a diferentes visões científicas, econômicas e políticas.

Nos dias 22 e 23 de fevereiro de 2022, o eventoDiálogos sobre as finanças verdes: os desafios para o financiamento de uma transição verde justa no Brasil reunirá atores dos setores público e privado, da sociedade civil e da academia para debater os potenciais e os limites de instrumentos financeiros verdes como forma de direcionamento do financiamento privado e público para a transição a uma economia efetivamente sustentável no Brasil, de forma democrática e justa.

O evento é promovido pelo projeto “Finanças Verdes e a Transformação da Propriedade no Brasil”, uma cooperação acadêmica entre pesquisadores da Unifesp, Cebrap, USP, Universidade de Bristol (Reino Unido) e Universidade da Antuérpia (Bélgica). O projeto conta com financiamento do Newton Fund da British Academy (Newton Advanced Fellowships NAF2R2\100124).

A transmissão das três mesas de debates do evento será realizada nas redes sociais do Cebrap (YouTube, Facebook e LinkedIn), conforme a programação abaixo:

 

Diálogo 1 – Finanças verdes: para que e para quem?
22 de fevereiro – 10h

O primeiro diálogo objetiva introduzir o tema das finanças verdes por meio da discussão dos seus propósitos. O que prometem as finanças verdes? Cumprem, de fato, o que prometem? E o que prometem é suficiente? Há ou deveria haver propósitos específicos sobre o que, como e onde se financia no contexto particular de economia e da sociedade brasileiras?

Participantes:
Ana Terra Reis- Programa de Financiamento Popular da Agricultura Familiar para Produção de Alimentos Saudáveis do MST (FINAPOP)
Gustavo Pinheiro – Instituto Clima e Sociedade (iCS) – @gtpinhei
José Luis Gordon – Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE) – @zegordon
Marcela Vecchione-Gonçalves – Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará (UFPA)
Marina Barki – Climate Bonds Initiative (CBI) – @ninabarki
Mediação: Iagê Miola – Departamento de Direito da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) – @iagezm

 

Diálogo 2 – Qual o lugar do setor público nas finanças verdes?
22 de fevereiro – 18h

Com a crescente popularidade dos instrumentos financeiros verdes, governos ao redor do mundo passaram a atuar nesse mercado de diferentes formas: regulando a atuação do setor financeiro para que se torne “verde”, estabelecendo critérios e parâmetros para se determinar o que é “verde”, reconhecendo formalmente regras e standards privados, mobilizando  investimento “verde” para  financiar projetos públicos de infraestrutura, estimulando formas financeiras “verdes” por meio de incentivos fiscais ou do oferecimento de garantias, entre outras formas. O segundo diálogo busca refletir sobre o papel do setor público brasileiro em relação às finanças verdes: deve o Estado brasileiro regulá-las ou são suficientes os regimes privados de governança?  Qual é o papel do financiamento público verde (em comparação às fontes privadas), isto é, o que deve financiar e como?  O que esperar de governos estaduais e municipais no âmbito das finanças verdes? Essas são algumas das perguntas que este diálogo busca responder.

Participantes:
Caio Borges – Instituto Clima e Sociedade (iCS) – @caioborges
Camila Gramkow – Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) – @gramkowc
João Fabio Franco Ferreira – Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES)
Luana Betti – World Resources Institute (WRI) Brasil – @luabetti
Mario Schapiro – Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGVSP) – @schapiromario
Mediação: Diogo R. Coutinho – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP)

 

Diálogo 3 – Como garantir que as finanças sejam, de fato, verdes?
23 de fevereiro – 10h

O caráter ambientalmente sustentável das finanças etiquetadas como “verdes” é garantido por um complexo arranjo de critérios, taxonomias, regras e procedimentos de natureza eminentemente privada. Ou seja, em larga medida, quem diz se a finança é ou não “verde” é um conjunto de formas de autorregulação, produzidas por atores do próprio mercado financeiro.  Com poucas exceções (como a União Europeia e China), não há iniciativas públicas já consolidadas que estejam dedicadas, especificamente, a regular as finanças verdes. Nesta mesa, serão debatidas as vantagens e desvantagens de formas privadas e públicas de regulação para se garantir que as finanças sejam, de fato, verdes. Como definir quais setores econômicos são potencialmente elegíveis a receber financiamento verde? Qual o papel do conhecimento científico na elaboração dos critérios? Qual o lugar da participação de populações afetadas pelos projetos e atividades financiados por meio das finanças verdes na sua governança?

Participantes:
Beatriz Ferrari – SITAWI Finanças do Bem
Camila Moreno – Grupo Carta de Belém
Sheila Neder Cerezetti – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) – @sheilaneder
Gabriela Junqueira – Universidade de São Paulo (USP) – @g_ojunqueira
Mediação: Pedro Salomon – Universidade de São Paulo (USP) – @pedrosbmouallem

 

Leia Também

Quão aderente são os sistemas de bike sharing em relação à realidade das cidades nas quais estão implantados? Quais os principais motivos de uso? Qual o nível de intermodalidade? E quais são os impactos? Estas e outras perguntas são respondidas no estudo “Caracterização social do bike sharing no Brasil”, pesquisa realizada pelo Cebrap em parceria […]

Está no ar nova pesquisa feita pelo Cebrap em parceria com o Itaú. Impacto Social do Uso da Bicicleta no Rio de Janeiro foi elaborada a partir de entrevistas domiciliares com indivíduos de 16 anos ou mais e amostragem com dois grupos distintos: população do município do RJ e ciclistas. A pesquisa foi coordenada por Carlos […]

Saiba mais sobre o último livro lançado por Ernesto Isunza Vera e Adrián Gurza Lavalle. Para el futuro de la democracia en el mundo, la proliferación de experiencias de innovación democrática es el fenómeno más sorprendente desde que los ciclos de las transiciones latinoamericanas y comunistas concluyeron sus fases más dramáticas, para desembocar en la […]